quarta-feira, 30 de abril de 2014

Crítica lusitana ao julgamento do Mensalão coloca maioria do Judiciário contra o Presidentro Lula

EM DEFESA DA DEMOCRACIA E DOS DIREITOS DOS CIDADÃOS BRASILEIROS QUE ALIÁS ESTÃO INDIGNADOS, EM SUA MAIORIA,CONTRA O PT,PUBLICO ESTA MATERIA DO ALERTA TOTAL.
Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net


Muito próximo de vivenciar como o Judiciário vai atuar contra ele, assim que o PT for despejado do Palácio do Planalto, Luiz Inácio Lula da Silva cometeu um dos maiores erros táticos, nunca antes visto na História do Brasil, ao aproveitar uma entrevista à televisão portuguesa RTP para criticar que o julgamento do Mensalão foi 80% de decisão política e 20% de decisão Jurídica. Lula deve ter conseguido jogar, no mínimo, mais de 80% dos promotores, juízes, desembargadores, e ministros do STF contra ele.


A tensão conjuntural (com tantos escândalos de corrupção explodindo) e os sempre negados problemas pessoais de saúde (com a ingestão de remédios fortes) provavelmente induziram Lula a abusar da costumeira autoconfiança, expondo-se ao ridículo político e arranjando uma briga que pode lhe ser fatal no futuro próximo. Os julgamentos das Operações Porto Seguro, Lava Jato e outras menos votadas e que ainda estão por acontecer devem provocar grandes perdas à cúpula petista – onde Lula paira como um chefão milagrosamente blindado política e judicialmente.


O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e relator do processo do mensalão, Joaquim Barbosa, reduziu Lula a pó: “Lamento profundamente que um ex-presidente da República tenha escolhido um órgão da imprensa estrangeira para questionar a lisura do trabalho realizado pelos membros da mais alta Corte da Justiça do País. A desqualificação do Supremo Tribunal Federal, pilar essencial da democracia brasileira, é um fato grave que merece o mais veemente repúdio. Essa iniciativa emite um sinal de desesperança para o cidadão comum, já indignado com a corrupção e a impunidade, e acuado pela violência. Os cidadãos brasileiros clamam por Justiça”.


Barbosa derrubou facilmente a curiosa tese percentual de Lula contra o Judiciário: “O juízo de valor emitido pelo ex-Chefe de Estado não encontra qualquer respaldo na realidade e revela pura e simplesmente sua dificuldade em compreender o extraordinário papel reservado a um Judiciário independente em uma democracia verdadeiramente digna desse nome. Os advogados dos réus acompanharam, desde o primeiro dia, todos os passos do andamento do processo e puderam requerer todas as diligências e provas indispensáveis ao exercício do direito de defesa”.


Outro ministro do STF, Gilmar Mendes, expôs Lula ao ridículo, com fina ironia: “Nós não podemos esquecer que o presidente já pediu desculpas à nação pelo fato da existência da prática do mensalão. Agora, ele já disse outras vezes que o mensalão não existiu, que o mensalão foi parcial. Agora, inclusive, nós temos esta conta, que também é muito singular: julgamento político em 80%, 20% jurídico. Como ele não é da área jurídica, talvez também ele esteja adotando um outro critério. Porque nós não sabemos fazer esse tipo de contabilidade no âmbito do tribunal, nós que lidamos todo dia com processos. Como se enquadrar nesse percentual preciso de 80% e 20%? Está tudo muito engraçado”.


Gilmar Mendes destronou, facilmente, o argumento de Lula contra o Supremo Tribunal Federal: “Esse tribunal é insuspeito porque, basicamente, ele foi indicado, com poucas exceções, pelo governo petista. Dizer que esse julgamento foi político não tem nenhum sentido. O tribunal se debruçou sobre esse tema já no recebimento da denúncia. Depois, houve várias considerações técnicas, houve rejeição da denúncia em muitos pontos, depois houve toda uma instrução processual e julgou com clareza, examinou todas essas questões”.


Carlos Ayres Britto, ministro aposentado do STF, que atuou no julgamento da Ação Penal 470, também destruiu as afirmações politicamente caluniosas, difamatórias e injuriosas de Lula contra a instituição da mais alta corte jurídica do Brasil: “Faz parte da liberdade de expressão, que vigora em plenitude em nosso país, mas não é o meu ponto de vista. Eu entendo que se pode concordar ou não com justiça material do julgamento; não, porém com a legitimidade dele. Reconhecidamente, foi um julgamento público, juridicamente fundamentado nos votos de cada ministro e com total observância do contraditório probatório-argumentativo. É só rever a cobertura internetizada, radiofônica e televisionada das sessões de julgamento, assim como reler os fundamentados votos de cada ministro. Não se tem notícia dessa arguida ilegitimidade por parte de nenhuma associação de magistrados, membros do ministério público ou, ainda. de advogados públicos e privados”.


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pegou mais leve com Lula, mas também derrubou os argumentos dele: “A Ação Penal 470 está encerrada, com um julgamento claro, objetivo, transparente, tendo sido respeitados o contraditório e o amplo direito de defesa, é assim que eu vejo. Nós vivemos num país democrático, o direito de manifestação deve ser assegurado. E cabe ao ministério Público garantir o direito de manifestação, o direito de crítica. Todo mundo tem direito, sendo político, ex-político ou não político. Não quero dizer que concordo com ele, mas ele tem todo direito de se manifestar e de criticar. Ele é um cidadão com direito ao uso da palavra. No meu entendimento foi um processo jurídico, com julgamento jurídico”.
Postado há 3 hours ago por horacio banchero
***
Mário César de Abreu

sexta-feira, 25 de abril de 2014

CONGRESSO – POR UMA DANÇA QUE ESTABELEÇA O REINO – MAIS UMA BOBAGEM

Congresso de Dança 2014

CONGRESSO – POR UMA DANÇA QUE ESTABELEÇA O REINO – MAIS UMA BOBAGEM
Não costumo visitar sites de grandes igrejas por entender que com raríssimas exceções não se encontra quase nada de interessante. Mas visitando um destes sites não pude deixar de ver uma chamada, no mínimo infantil ou totalmente descabida, que anuncia um congresso de dança gospel. Li atentamente a chamada (texto) da pra. que lidera tal congresso, acho eu, e não pude deixar de perceber que se trata de um texto infantil, desprovido de qualquer base bíblica, eivado de heresias e que portanto provem de alguém com total desconhecimento de Bíblia, teologia, filosofia, história etc. Mas nada a estranhar porque isso faz parte do cardápio oferecido àqueles incautos que bebem água suja ao invés da pura que vem da Palavra.
Logo no início da chamada para tal congresso celestial a pra. diz que nos dias do evento estarão unidos para adorar, bendizer e atrair Deus. Fico me perguntando em como um congresso de dança gospel atrai Deus? O que em nós atrai Deus? Tal afirmação aponta para uma grotesca heresia e um descompromisso com a Palavra, pois a mesma nos diz que é Ele que nos atrai a si e não nós o atraímos. Que tipo de sacrifício ou modismo tem poder de atrair Deus? Realmente a fundamentação começa mal e mostra o fracasso do esforço humano nas coisas do Reino.

Veja está pérola de valor inestimável: “Nos reuniremos porque desejamos que o Rei tome seu trono, expanda seu governo e retorne para buscar os que o amam de todo coração, alma e entendimento”.
O Rei tomar seu trono? Por acaso Ele o perdeu ou esqueceu onde se encontra ou mesmo depende do homem para tê-lo? Deus algum dia abandonou seu trono e precisa que o ajudemos a consegui-lo de volta? A Palavra nos diz que o Senhor está assentado em um alto e sublime trono. O verbo está no presente nunca no passado. Se precisamos fazer um congresso de dança gospel para Deus tomar seu trono, pergunto: Quem está assentado agora no trono? Quem governa o universo? Hebreus 1:3 nos diz que: “O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas.”
Vejamos estes texto neotestamentários só para vermos como essa infantilidade passa longe da Palavra de Deus e traz vergonha para seu Nome.
Heb. 1:8 – “Mas, do Filho, diz: O Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; Cetro de equidade é o cetro do teu reino”. Não diz que o trono precisa ser tomado em algum momento.
Heb. 8:1 – “Ora, a suma do que temos dito é que temos um sumo sacerdote tal, que está assentado nos céus à destra do trono da majestade”. O texto é claro demais.
Apoc. 3:21 – “Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono.
Continuando com o texto da chamada temos o seguinte: expanda seu governo.
Desconheço essa forma de pensamento e comportamento durante os mais de 2000 anos de história da igreja tenha sido utilizada. Mas parece que por falta de conteúdo e do que dizer, fala-se qualquer coisa que aparente sabedoria ou espiritualidade e ai tudo fica bem. O Reino de Deus não se expande através de dança. Isso não tem cabimento. A expansão do Reino se dá através da chegada das boas novas de salvação proclamadas no poder do Espirito Santo. Essa afirmação da pastora tira a igreja de sua função precípua de evangelizar tornando-a cativa em 4 paredes. A igreja precisa mostrar sua cara ao mundo e dizer o motivo de sua existência e não privatizar Deus no íntimo do homem ou amordaça-lo dentro de templos.
Agora o complemento da afirmação da chamada causa mais espanto:  e retorne para buscar os que o amam de todo coração, alma e entendimento.
Retorne para buscar os que o amam? Quando Deus partiu para retornar? Será que autora do texto está falando da segunda volta de Cristo? O apóstolo Paulo nos diz em sua carta aos Romanos que Deus opera em todas as coisas para o bem daqueles que o amam. Deus está bem presente nos acontecimentos da vida levando-os a bons termos para o bem daqueles que o amam. Deus nunca se ausenta porque não pode se ausentar, porque isso anularia sua infinitude, sua onipresença, seu amor por nós. Confunde-se figuras de linguagem com afirmativas e ai se apresenta desconhecimento dos gêneros e figuras empregados na escrita das Escrituras.
Deus nunca abandonou aqueles que o amam porque não pode negar a si mesmo. É sua promessa escrita em Sua Palavra que Ele estaria conosco até a consumação dos séculos.
O pior é que as bobagens não param e somente pioram, veja isto:
Este é um encontro para os que desejam mergulhar e se posicionar em meio ao grande propósito de Deus para sua criação...”.
Desde quando dança faz alguém mergulhar e se posicionar em meio ao grande propósito de Deus para sua criação? E é preciso perguntar, qual é mesmo esse grande propósito de Deus para sua criação? Creio que dificilmente a autora do texto saberia dizer. Que afirmação sem cabimento e desprovida de lógica e fundamentação!
Agora essa afirmativa é sensacionalmente pueril: “É o Reino vindo em nossa direção, tomando forma dentro de nós, se expandindo sobre a Terra, até que tudo tenha fim, e enfim, estejamos somente com Ele.
Quer dizer que dança gospel implica no Reino vindo em nossa direção? Acho que aqui cabe uma grande rizada e é até bom porque descontrai e alegra o ambiente.
O Reino já está em nós, dentro de nós, nunca vindo em nossa direção nem se expandindo através de dança ou quaisquer tipos de encontros gospel. Gostaria de sugerir dois bons livros sobre o Reino de Deus – A Vinda do Reino de Herman Ridderbos – O Evangelho do Reino de George Eldon Ladd. Creio que se lermos estes livros e os confrontarmos com a Palavra aprenderemos claramente o que é o Reino de Deus, seus aspectos cumpridos, sua presença e consumação final.
Para terminar dentre vários temas para workshops ou oficinas está um que me chamou atenção e diz respeito em relação a dança e o retorno de Cristo. Gostaria de saber como será fundamentada esta palestra. Pode ser que haja uma revelação extraordinária vinda dos céus que será dita naqueles dias do congresso. Coisas que nem anjos intentaram saber ou tomaram conhecimento. Mas acho que dá para afirmar sem medo de errar que serão ensinamentos erráticos, com utilização de versículos da Palavra fora de seus contextos e mesmo interpretações que forçam a barra distorcendo o significado dos textos citados, adaptando textos bíblicos a argumentos espúrios.
Para quem gosta de si alimentar daquilo que o filho pródigo se alimentou antes voltar para casa de seu pai, será um grande momento.

Soli Deo Gloria

Pr. Luiz Fernando R. de Souza
Fonte:http://ministerioforcaparaviver.blogspot.com.br/
***
Em Cristo,
Mário

terça-feira, 22 de abril de 2014

"SANGUE DE JESUS COBRIRÁ O BRASIL!": MAIS UM ATO PATÉTICO NA LAGOINHA




Por Antognoni Misael

A Lagoinha não se cansa de tentar ganhar o Brasil para Cristo. Há anos eles pagam micos e mais micos, lavam a bandeira com azeite, rugem como leões, vestem-se de soldados, ungem os mares com óleo, aplicam golpes de Muay thai nos tripés dos exus, e por aí vai... É como se Deus não estivesse no controle de nada, e que dependesse de seu povo para anular as ações de satanás.


Ao convidar os fiéis para o 15º Congresso de Adoração Ana Paula Valadão disse: "Temos promessas de Deus para o país e precisamos adorar, orar, clamar e trabalhar para que vejamos a transformação do Brasil em nossos dias".


O que me assusta é ver tanto anacronismo nisso tudo. Ao lermos sobre o verdadeiros avivamentos notamos que todos eles ocorreram de dentro para fora. Portanto, antes de qualquer ato patético é mister que se pense em Reforma e Avivamento. A Reforma nos propõe um retorno ao ensino da Bíblia e o avivamento nos indica uma relação apropriada com o Espírito Santo. Isto significa dizer que, os grandes momentos da História da igreja vieram quando estas duas qualidades entraram simultaneamente em ação fazendo com que os irmãos experimentassem a doutrina pura e a igreja conhecesse o poder do Espírito Santo.


Falar de avivamento e reforma é falar do padrão ideal que Deus quer de nós: Jesus Cristo. Portanto, não temos dúvida de que a igreja brasileira precisa urgentemente despertar neste sentido, a saber que estamos numa nação tida como a 6ª economia do mundo, mas com a maior população carcerária do planeta; o 8º na maior desigualdade social onde o negro é a imensa maioria do pobre, sem falar do altíssimo grau de corrupção enraizado em nossa estrutura política o que faz de nossa saúde, segurança e educação um vexame sem fim.


O lamentável nisso tudo é que o nosso inchaço religioso parece não mudar em nada esta realidade. Daí o que mais me espanta na Lagoinha é achar que estas representações tem algum valor diante da absurda realidade da nossa nação. Lembremos do batismo e da ceia. São sacramentos que por si só não tem valor algum no sentido de que, sem o arrependimento e sem a confissão, se tornarão mera simbologia vã. É mais ou menos isso que ocorre nos ritos da Lagoinha. Muito teatro e pouca validade!!


Assista:
Aí vem a 'profetiza' da "Lagoa" e com um longo tecido vermelho tenta cobrir o Brasil com o sangue de Jesus.

Aí a 'profetiza' rasga os conselhos de Paulo e solta as mais variadas línguas esquisitas sem o menor sentido.

Então a 'profetiza' diz que o Senhor estará fazendo algo em virtude de seus rituais afirmando que no "momento certo" os fiéis devem levantar a bandeira, pois no exato momento o Brasil será levantado.

Ela não se contenta e afirma que todos os locais que foram abertos para a Copa do Mundo, e que seriam alvo de prostituição e pecado, serão paralisados 'agora'! (Ela não conseguiu evitar a roubalheira dos gastos, mas demonstra ter poder pra congelar as potestades (???)

Por fim, a profetiza declara: "Nós recebemos o novo Brasil".

Cadê o novo Brasil? Ele cabe dentro da Lagoa?

***
Antognoni Misael. Cansado desse teatro chato
Fonte: Púlpito Cristão
***
Indignado,
Mário

sábado, 19 de abril de 2014

A manipulação de dados como arma!

Postado por Mauro Meister


A manipulação de dados para criar falsa impressão é uma das principais armas dentro da política moderna. Em tempos antigos, quando a família tinha mais influência sobre o indivíduo do que a mídia, os dados eram menos poderosos. Hoje, são quase tudo! O Estado Brasileiro está aí, formado e constituído, com muitas lutas ao longo de séculos, como uma democracia. Mas os governos são aqueles que "tocam" o estado e, na democracia, supostamente precisam de legitimidade para fazê-lo. Porém, quando aqueles que estão no governo não acreditam na democracia, mas ainda dependem dela para se reelegerem, até que se tornem totalitários (veja-se Venezuela) manipulam os dados, criam falsa impressão de que o "estado de direito" (o conjunto de direitos fundamentais estabelecidos na constituição) está devidamente sustentado.

É uma mentira bem contada, na qual a maioria acredita, pelo menos por um tempo. Basta olhar em volta, na nossa América que é latina!

Pois bem, os que aí estão governando já nos mostram algumas coisas, que a maioria, que vota, não vê: não acreditam na democracia, são gananciosos e não tem a menor disposição de largar a posição em que se encontram a despeito da sua mais manifesta incompetência para "tocar" o Estado como uma democracia. Vejam bem, quando digo que outro não tem competência, não estou dizendo que eu tenho! Só estou observando, pelos resultados, que a coisa vai de mal a pior. Mas estes mesmos são aqueles que cada vez mais trazem, por meio de leis, responsabilidades sobre o Estado que governam incompetentemente. Tendem a amar leis que tiram a responsabilidade do indivíduo e da família para atribuírem para si mesmos maior controle (regulação de escolas, das palmadas dentro de casa, etc.) e ao mesmo tempo diminuir a influência da própria família, destruindo-a com leis nefastas. Até mesmo cristãos se iludem com essa tolice vendo nos déspotas, messias (Fidel, Chaves e curriola...)

Onde vamos terminar? Não sei! Alguns vão aplicar profecias bíblicas imediatas aqui: é o fim! Não sou tão imediato. O que posso dizer é o seguinte: pelo curso das coisas, se nada mudar, em breve seremos uma Argentina e depois uma Venezuela e finalmente uma Cuba! Nossos jovens, que amam usar a camisa do Che Guevara, não terão dinheiro para comprá-las, mas, provavelmente serão distribuídas pelo governos, todas da mesma cor! Primeiro o IPEA, agora o IBGE...

Anteriormente, escrevi AQUI - Eu não mereço ser estuprado! Ponto.
Recentemente, escreveu o Rodrigo Constantino, a quem me referi, AQUI - O IBGE subiu no telhado.
As notícias estão por todos os lados - http://economia.estadao.com.br/noticias/economia-geral,cancelamento-da-pnad-desencadeia-crise-de-gestao-no-ibge,181822,0.htm

Fonte: O Tempora, O Mores
***
Em Cristo,
Mário

sábado, 12 de abril de 2014

"SEM TEOLOGIA NÃO TEM LOUVOR"

O que nos faz cantar é entender quem Deus é e o que Ele fez por nós. Louvor não é um fim em si mesmo, mas o resultado final de um processo de compreensão e entendimento da Pessoa e Obra de Deus, em Cristo.



Fonte: O Tempora, O Mores
***                   ***           ***
Em Crsito,
Mário César de Abreu

segunda-feira, 7 de abril de 2014

NÃO DESISTIR


“Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.” I Cor. 15:58

Existem momentos em que pensamos em desistir de tudo aquilo porque lutamos. Várias tentativas foram feitas para melhorar e parece que estamos andando em um banco de areia. Tentamos buscar forças lá no fundo do nosso ser e nos vemos impotentes. Observamos as circunstâncias, as conversas das pessoas e percebemos que alguma coisa está errada. Isso tudo é verdade. Mas existe uma pequena palavra nas Escrituras que pode mudar tudo em nossas vidas. Perseverança! Perseverar é muito mais do que agüentar uma situação adversa. É persistir com um propósito. É persistir sabendo o porque estou aguentado os momentos adversos. Perseverar é a marca daqueles que mudaram seu tempo. Conta-se que Thomas Alva Edson, o inventor da lâmpada elétrica estava na tentativa de número 700. Ao ligar os filamentos da lâmpada, a corrente elétrica passou, a lâmpada acendeu e apagou. Seu ajudante lhe disse: "Dr. Edson, já tentamos 700 vezes e não conseguimos nada, vamos desistir". Então o grande cientista lhe respondeu: "Não meu jovem, estamos 700 vezes à frente de quem nunca tentou nada, não dá para desistir agora". Tentou mais de 2000 vezes até conseguir seu intento que revolucionou a vida humana. Desistir é mais fácil e cômodo do que perseverar e continuar. Desistir satisfaz mais o ego do que enfrentar os momentos difíceis. Desistir é abortar as oportunidades que estão por se apresentar. Desistir e dizer que Deus morreu e não opera no mundo ou em nossas vidas. Desistir não deve fazer parte do cardápio do cristão. Richard Wurmbrand, pastor romeno, fundador da missão Voz dos Mártires, conta que depois de várias vezes preso, estava em sua sela e pensou em desistir, pois não via crescimento da obra do Senhor e sempre voltava para a cadeia por causa de sua fé. Alí em sua sela, mais uma vez, assentado no chão pensando em desistir, viu uma pequena formiga carregando uma folha que era duas ou três vezes o seu tamanho. Quando ela chegava lá em cima na janela e ia sair daquele lugar, a folha caia ao chão e ela descia toda aquela parede. Apanhava a folha e subia novamente. Fez isso por 14 vezes. Depois carregou a folha e saiu pela janela e não mais foi vista. Vendo aquela cena disse para si mesmo: "Se esta formiga, por 14 vezes, não desistiu e não tinha ninguém para lhe encorajar, também posso tentar novamente sem desistir por amor do meu Salvador.
Neste momento de nossas vidas, mais do que nunca, precisamos estar firmes em nossos objetivos para vermos os resultados de nossos esforços e de nossa fé. A Palavra de Deus nos encoraja a não voltarmos atrás. Deus disse que não tem prazer naquele que volta atrás. Deus nos tem dado recursos suficientes em Sua Palavra para sermos vencedores perseverantes. Apesar de algumas coisas não darem certo, de sonhos não se realizarem, nossas posturas mentais serão vencedoras. Não olharemos para trás, nem lamentaremos porque desta vez não deu certo. Seremos firmes e constantes e experimentaremos a glória do Senhor em nosso viver. Quanto à obra de Deus, o texto citado é suficiente em si mesmo. Nosso trabalho no Senhor não é vão. Deus está vendo cada esforço nosso naquilo que fazemos para Sua Glória. Nossa maior recompensa será gozarmos de Sua presença restauradora cada dia. Cada passo dado, cada oração feita, cada esforço empreendido não caem no vazio, mas são ofertas aos pés daquele que tudo ofertou por nós, Jesus Cristo. Creio firmemente que vivemos em um tempo onde Deus espera encontrar homens e mulheres firmes em seus valores e propósitos. Que não desistam de amá-lo e servi-lo com intensidade, pois, o que nos aguarda excede toda expectativa. Ouse ser perseverante. Ouse invadir a intimidade de Deus em oração. Ouse desafiar suas crises.

SEMPRE FIRMES E CONSTANTES. NOSSO TRABALHO NO SENHOR NÃO É VÃO.


Soli Deo Gloria


Pr. Luiz Fernando R. de Souza     Ministério Força para Viver
***
Em Cristo,
Mário

sábado, 5 de abril de 2014

EU POSSO JULGAR O MALAFAIA!?



Por Thiago Oliveira

Anteontem foi ao ar uma entrevista com o Silas Malafaia no programa The Noite. Num espaço de aproximadamente vinte minutos, o entrevistador Danilo Gentilli, astro do late show do SBT, cutucou pouco o pastor-presidente da Assembléia de Deus Vitória em Cristo. O Ultrage a Rigor, banda do programa, tocou uma música intitulada “Money” durante a entrada de Malafaia. O tema foi escolhido, segundo o vocalista (Roger), porque o Silas é “a favor de que as pessoas ganhem mais dinheiro”. Vejam como a imagem desse pastor já está vinculada a famigerada Teologia da Prosperidade.


Assisti o programa ontem, graças ao YouTube, e por incrível que pareça pensei que ouviria mais heresias do que ouvi. Considero o já citado pastor um herege que presta um desserviço a causa do verdadeiro Evangelho pregado por Cristo e disseminado pelos apóstolos. Mas de ruim mesmo ele só falou que “O trabalho da Igreja Universal é um trabalho fenomenal” e que “dinheiro é um dos maiores temas da Bíblia”. Esta última frase foi reiterada pelo mesmo: “Finanças é um dos maiores temas da Bíblia”. Fez jus a música tocada em sua entrada.


Finanças, um dos maiores temas da Bíblia? Desde quando? A Bíblia fala sobre pecado, justiça e redenção. A Bíblia fala da soberania divina, da natureza caída do ser humano e da morte vicária de Cristo para lavar e redimir os seus eleitos. De finança, quem entende e fala muito é o Sr. Mike Murdock, mentor do Silas. Já em se tratando de Escrituras, ambos não entendem e deturpam a verdade sagrada.


Agora tem aqueles que dizem que eu não posso julgar, baseados em Mateus 7: 1: “Não julgueis para que não sejais julgados”. Gostaria de informar que Jesus não proíbe qualquer tipo de avaliação crítica. Se fosse assim ele não teria dito logo depois: “Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem” Mateus 7:6. Como discernir quem são os cães e quem são os porcos? Sem julgamento de valor seria impossível. O próprio Cristo, em diversas ocasiões criticou abertamente a postura dos fariseus e a estes chamou de hipócritas.


O Sermão do Monte é a antítese da interpretação farisaica da Lei. Jesus através deste sermão interpreta corretamente aquilo que foi registrado por Moisés e pelos profetas. Existe ali uma crítica a forma como os fariseus se portavam, condenando efusivamente os que destoavam de suas práticas. Era típico do farisaísmo apontar os erros das demais pessoas e esquecer de olhar para si. O fariseu gostava de se auto justificar. Seu julgamento era meritocrático e ele se via como um exemplo de conduta moral e religiosa (lembram da parábola do fariseu e do publicano?).


Definitivamente, Jesus não nos proíbe de opinar ou criticar algo ou alguém. Se é proibido julgar, como proceder diante de tal declaração: “Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores”. Mateus 7:15? Para nos livrarmos dos falsos pregadores da Palavra temos que ter discernimento crítico e julgar os seus frutos. É pelo fruto que se conhece árvore (Mateus 7:16). Jamais poderia julgar alguém me colocando como o parâmetro de bondade e retidão, tal como faziam os fariseus. É hipocrisia diminuir as suas faltas e aumentar as do seu próximo. Somos filhos de Adão, depravados pelo pecado e não há nada de bom em nós mesmos. Mas se usarmos a Palavra como norma para nos blindarmos dos falsos ensinamentos, estamos procedendo bem e agindo de acordo com João 7: 24, estamos julgando segundo a reta justiça.


Todavia, há quem ainda pense assim: “concordo que devemos julgar e combater as heresias, mas citar o nome da pessoa é desnecessário e antiético”. Será mesmo desnecessário citar o nome do herege que dissemina uma inverdade escriturística? O Dr. Paulo Romeiro usa uma boa ilustração em seu livro Evangélicos em Crise: “Imagine o leitor se há um remédio sendo comercializado, trazendo perigo de morte à população. Certamente as emissoras de rádio e TV não conseguiriam prestar um serviço ao público levando ao ar o seguinte anúncio: ‘Informamos que há um remédio sendo vendido nas farmácias que poderá levá-lo à morte. Desde que não vamos citar o nome do remédio, tente descobrir por você mesmo’. Não seria isso um absurdo? Quando alguém descobrisse que remédio é esse, já seria tarde demais”.


A analogia é perfeita e casa com a maneira em que os apóstolos agiam diante de pessoas que punham em risco a sã doutrina e a comunhão dos santos. João fala mal de Diótrefes (3 João 1:9). Paulo é mais severo ainda. O apóstolo aos gentios diz a Timóteo que entregou a Satanás os blasfemadores Himiteu e Alexandre (1 Timóteo 1:20). Possivelmente, o mesmo Alexandre é citado na segunda carta enviada a Timóteo. Paulo diz que ele foi causador de diversos males e roga para que Deus o julgue segundo as suas obras (2 Timóteo 4:14). Na mesma carta, cita Figelo e Hermógenes como líderes dissidentes da Ásia (2 Timóteo 1:15).


Diante de tudo que foi exposto eu quero elencar alguns pontos:


1. Eu posso julgar o Silas Malafaia. Não só ele, mas qualquer outra pessoa. O que não posso fazer é julgar de maneira hipócrita e embasado na minha retidão.


2. A Bíblia é o nosso parâmetro. É a partir dela que diferenciamos o certo do errado. Não devemos opinar com achismos e nem defender – indulgentemente – pessoas em detrimento da Palavra. Nosso compromisso é com o Evangelho e não com os evangélicos.


3. Devemos reconhecer o quão pecadores somos. Apontar o erro dos outros é a coisa mais fácil do mundo. Difícil é olhar pra dentro de si e tal como Paulo exclamar: Miserável homem que sou! Apenas o Espírito Santo e seu poder regenerador nos dão condições para que nos tornemos retos diante de Deus.


Sola et Tota Spriptura

Fonte: Púpito Cristão

Thiago Oliveira, mano que lá de Recife demonstra a sua subversividade em relação a teologia da prosperidade e seus porta estandartes.
***                   ***                            ***
Em Cristo,
Mário

Postagem em destaque

JESUS CRISTO, O GRANDE “EU SOU”

O evangelho de João prova, de forma cabal, a divindade de Jesus Cristo. Faz isso, usando dois expedientes. Primeiro, mostrando que ele t...