domingo, 29 de abril de 2012

NA DEPENDÊNCIA DO ESPÍRITO SANTO


por Mário César de Abreu

Quem voces ouvem? De quem voces dependem para assuntos espirituias? já se deram conta de todo o misticismo e sincretismo religioso que está acontecendo? É copo com água em cima da tv,rosa ungida,toalhinha ungida,cajado disso ou daquilo,entre outras coisas tolas que se tem ensinado e praticado com tanta frequência que já se tornaram "verdades" fabricadas ou seja,já estão achando que isso tudo faz parte do evangelho.

Por isso os crentes precisam da orientação constante do Espírito Santo,o Consolador,que Jesus disse que guiaria os que crêssem "em toda a verdade":"Quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir."(João 16.13)

O grande problema está em que muitos crentes não são sensíveis à voz do Consolador e nem buscam o seu conselho ou quando buscam,não esperam pela resposta.Vejam nestes textos como Paulo e outros confiavam no Espírito Santo:"E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado."  (Atos 13 : 2)- "E, achando discípulos, ficamos ali sete dias; e eles pelo Espírito diziam a Paulo que não subisse a Jerusalém."  (Atos 21 : 4)-"Senão o que o Espírito Santo de cidade em cidade me revela, dizendo que me esperam prisões e tribulações."  (Atos 20 : 23)


Nos textos acima,o Espírito Santo ordena,orienta,revela e não deixa que fiquem às escuras.Amados,hoje não é diferente,se voces orarem com confiança e ficarem atentos,o Espírito vai guia-los no caminho certo,no caminho do evangelho puro que se encontra em sua Palavra,a Bíblia.
Ele é o autor das Escrituras e leva voces ao pleno conhecimento da verdade."Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;"  (II Timóteo 3 : 16)

Muitas vezes ao escrever ou pregar a mensagem do evangelho puro,o pregador,encontra resistência dos seus ouvintes que não aprenderam a ouvir o Espírito Santo e preferem as fábulas em vez da sã doutrina do Senhor."E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas."  (II Timóteo 4 : 4)Vejam voces que este verso cita pessoas voltando às fábulas,o que significa que estavam no caminho e se desviaram dele.Notem o que o Espírito diz para os ultimos dias:"MAS o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;" (I Timóteo 4:1,2)
Esta é uma afirmação direta e muito clara e ela é prioridade para os dias de hoje,onde existem, além do que ja foi citado no início da postagem,muitas outras heresias acontecendo.

A apostasia de alguns,onde apostasia é negar as verdades essenciais do evangelho,é causada por "espíritos enganadores"(falsos mestres) que pregam "doutrinas de demonios" que é tudo aquilo que não tem base bíblica e tem sua inspiração em Satanás.
Vejam que estes homems do diabo usam de hipocrisias,(grego hupokrisía,siginifica: Fingimento de bondade de ideias ou de opiniões apreciáveis.)eles fingem que suas inspirações são divinas,falam que tiveram visões ou que Deus falou com eles.
E o pior de tudo é que segundo o texto,suas conciências estão cauterizadas,são cegos espirituais.Devido ao fato de terem se afastado da Palavra  perderam a sensibilidade à verdade e ficam condicionados à mentira que pregam.

Não se esqueçam que se voces não estiverem atentos à voz do Espírito,estarão sujeitos a seguirem os falsos ensinadores e mercenários da fé dos quais Pedro diz:"E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita."  (II Pedro 2 : 3)além de levarem voces ao engano e à apostasia,ainda lucrarão com isso ensinando falácias(palavras fingidas)como por exemplo, a teologia da prosperidade.

Amados,o evangelho do Senhor Jesus fala de Salvação pela Graça de Deus,de arrependimento de pecados e de ser nova criatura em Cristo.Permaneçam neste caminho,sejam verdadeiros discípulos de Jesus e não de homens."Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos;"  (João 8 : 31)

Em Cristo,

Mário César de Abreu

“PASTOR METRALHADORA”: OBRA MISSIONÁRIA E CINEMA (SEM OSCAR)



Em 1998, Sam chegou na aldeia de Yei, Sul do Sudão. A nação Africana estava no meio de sua Segunda Guerra do Sudão, e Sam, enviado pelo seu Pastor dos EUA, tinha reunido um grupo missionário para ajudar a reparar os danos nas cabanas durante o conflito. Durante esta tarefa Sam presenciou uma criança ser no dilacerada ao meio por uma mina terrestre. Ele caiu de joelhos sobre o corpo da criança, e chorando, fez uma promessa a Deus de que faria tudo que fosse preciso para ajudar o povo do Sudão.




UMA MENSAGEM DE DEUS


Sam voltou ao Sudão alguns meses depois trazendo uma clínica médica móvel. Para cumprir sua promessa ele se aventurou por todo o país, da cidade de Yei para as aldeias do leste de Boma. Ao passar pela aldeia de Nimule, na fronteira com Uganda, Deus lhe falou ao coração: “Eu quero que você construa um orfanato para minhas crianças. E eu quero que você construa esse orfanato aqui.”


TORNANDO A VISÃO REALIDADE


As pessoas do local diziam que Sam era louco. Na época, o Exército de Resistência, uma milícia rebelde brutal que havia seqüestrado 30 mil crianças e matado centenas de milhares de moradores, estavam devastando a área. Mas Sam foi categórico: Deus me mandou construir o orfanato em Nimule e é exatamente aí que eu irei construí-lo. Sam retornou aos EUA, vendeu sua firma de construção e enviou todo o dinheiro para a África.


Lentamente, o orfanato começou a tomar forma. Durante o dia, Sam desmatava o terreno e construia as cabanas que abrigariam as crianças. Durante a noite, ele dormia debaixo de um mosquiteiro pendurado a uma árvore: Bíblia numa mão, e metralhadora AK47 na outra.


Enquanto isso, na Pensilvânia, a filha de Lynn e esposa Sam Paige travaram uma batalha própria. O carro da família foi tomado por falta de pagamento e um aviso para a toma de sua casa foi dado. Sam tinha dinheiro suficiente para, ou pagar a dívida hipotecária ou terminar o orfanato. Como o dinheiro não dava para pagar os dois Sam então enviou todo o dinheiro para o projeto do orfanato na África.


Com o orfanato terminado, Sam começou a liderar missões armadas para resgatar as crianças do LRA. O grupo que capturava crianças para usa-las como escravos e escravas sexuais. Sam libertava as crianças do cativeiro e as trazia para o orfanato. Não demorou muito para que sua fama corresse e os terroristas começaram a chamá-lo de “The Machine Gun Preacher” ou, o pastor metralhadora.


SOBREVIVENDO CONTRA TUDO


Passaram-se 13 anos o orfanato alimentou e abrigou mais de 1.000 crianças. Sam também construiu uma escola, um posto de saúde e uma escola de enfermagem. A missão de Sam resgata, alimenta, protege e evangeliza crianças no Sudão, Etiópia e Uganda. Aqui um video do Reverendo Sam no Sudão, na zona de guerra, se preparando para ir pregar:


A história desse missionário em defesa das crianças do Sudão tornou-se em uma obra cinematográfica. O filme ”Redenção” que estreou nos cinemas no final de 2011 tem comovido e de certa forma “perturbado” muitos cristãos no mundo. É sem dúvida uma história que denuncia o descaso pela obra missionária em alguns países ao mesmo tempo nos fazendo perceber que Deus continua a levantar mártires dispostos a doar e perder a sua vida em prol do reino. Veja o trailer do filme:
***
Texto do postado por Wesley Moreira, via facebook, comentário e complemento, Púlpito Cristão.
Divulgação: JESUS É O SENHOR
***
Em Cristo,
                Mário César de Abreu

Silas Malafaia: dois pesos e duas medidas






É contraditório que líderes evangélicos, alguns deles midiáticos, combatam com veemência a mordaça gay, representada pela insistência de alguns parlamentares em aprovar o PLC 122/06, enquanto, no âmbito executivo, admitem não haver qualquer dificuldade em dar apoio a candidatos que apóiem a Marcha do Orgulho Gay desde que apóiem também a Marcha Para Jesus ou eventos religiosos de qualquer outra natureza.


Este posicionamento ficou bem claro na fala do pastor Silas Malafaia, em seu programa do dia sete de abril, quando mostrou a incoerência do Ministério Público Federal em pedir-lhe esclarecimentos por certas expressões, que não passaram de metáforas, para sermos justos, empregadas em seu discurso ano passado, na Marcha Para Jesus em São Paulo, contra o uso de símbolos católicos na Marcha do Orgulho Gay para vilipendiar a fé católica.


Mostrou em sua defesa o discurso do Senador Magno Malta no plenário do Senado, que recebeu aparte do senador Lindberg Farias favorável ao pastor Silas Malafaia, sob os protestos do setor LGBT do PT, já que o programa do partido é muito claro nessas questões. Deputados já foram punidos por infringirem essas normas. Mas para quem não sabe, conforme informa o blog Holofote Net, Lindberg, o defensor de Malafaia, assinou o pedido de desarquivamento do PLC 122/06 e, como deputado federal, votou contra a PEC 25/95 que proibia o aborto em qualquer situação. No entanto, como tem pretensões políticas em 2014, provavelmente como candidato a Governador do Estado do Rio, nada como dar uma aliviada para atrair setores evangélicos para a sua candidatura.


Mas o ponto a destacar aqui é a contradição entre atacar a mordaça gay e ao mesmo tempo apoiar candidatos a cargos majoritários, como o de prefeito, por exemplo, que sejam condescendentes com os evangélicos, mesmo que, do modo como a causa gay se insinua no Congresso Nacional, façam dela um dos pontos fortes de sua administração, tema este também já tratado no Holofote Net e no blog do Júlio Severo.
Sobre o assunto, que já começa a pipocar nas redes sociais, houve quem defendesse tal contradição com a tese de que o executivo governa para todos, e não para um grupo em particular, razão pela qual temos de aceitar, digamos, essas ambiguidades. É óbvio que a tese é válida nos termos para os quais o candidato é eleito, qual seja o de administrar a cidade, o estado ou o país e garantir que todos tenham do Estado aquilo que lhes é de pleno direito.


Este não é o caso da Marcha do Orgulho Gay e da Marcha Para Jesus, a primeira de caráter reivindicatório, embora transvestida de manifestação cultural; a segunda, olhada primariamente em suas raízes, com a finalidade de proclamar a Cristo numa sociedade secularizada. Foi assim que surgiu na Europa, embora hoje possa ter outras conotações. No entanto, em ambos os eventos não cabe qualquer patrocínio do Estado, a não ser aquilo que lhe compete, como, entre outras coisas básicas, ter um plano de operação em que conste prestar segurança, cuidar do trânsito e disponibilizar socorro médico. Quanto a isso, sou coerente com o que escrevi neste blog sobre a proposta do Senador Crivella, em 2007, que incluía as igrejas evangélicas como beneficiárias da Lei Rouanet de incentivo à cultura. Veja aqui. Defendo a separação total entre a Igreja e o Estado.


Todavia, no Rio de Janeiro, o prefeito Eduardo Paes vai muito além disso por estar comprometido até a medula com o movimento gay. Como estamos em ano eleitoral, com o intuito de amenizar tal comprometimento e angariar simpatia entre os evangélicos, chegou a dizer há cerca de dois meses, em Encontro do Conselho de Pastores do Rio, que a cidade terá a maior Marcha Para Jesus de todos os tempos. Ora, a fala do prefeito casa-se de maneira perfeita com a fala do pastor Silas Malafaia, que pode ter usado o argumento já mencionado acima para preparar o terreno com vistas a apoios futuros.


A prova que Eduardo Paes tem fortes compromissos com o movimento gay está no vídeo abaixo, preparado pela Riotur, empresa administrada pelo município, para atrair turistas homossexuais do exterior. Isso fica claro em matéria do jornal britânico, The Guardian, como citado no Holofote Net, o qual diz que as políticas implementadas por Paes tem por fim tornar o Rio a maior referência aos homossexuais. O vídeo apresenta o Rio de Janeiro como a cidade da diversidade sexual, com cenas chocantes, beirando à pornografia, e infringe a própria legislação brasileira. Quem viaja com frequência, já viu nos aeroportos do país dezenas de cartazes que combatem o turismo sexual como crime, sem tipificar a forma da sexualidade.




Ora, o que faz o vídeo de Eduardo Paes, senão estimular o turismo sexual? Por outro lado, uma lei aprovada pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e sancionada pela então Governadora, Rosinha Garotinho, proíbe a venda de cartões postais que exponham mulheres em trajes sumários e estimulem, com isso, o turismo sexual. Mas o vídeo de Eduardo Paes, com suas imagens sensuais homoafetivas, infringe, por analogia, a própria lei estadual.


Por último, caso você não se sinta constrangido pelas imagens que aparecerão na tela, sugiro que assista ao vídeo antes que o retirem do ar e possa você mesmo tirar as conclusões.


Depois disso, ainda haverá pastores que tentarão blindar Eduardo Paes, pré-candidato à reeleição no pleito de outubro?


FONTE: BLOG DO PASTOR GEREMIAS DO COUTO DIVULGAÇÃO: JESUS É O SENHOR
Em Cristo,
              Mário César de Abreu 

sábado, 28 de abril de 2012

ORAÇÃO DA NOITE

Amados,neste video pode se ver lindas imagens enquanto se houve a boa música evangélica na voz de Jessé que já se foi deste mundo e deixou esta gravação de um dos hinos mais bonitos dos hinários evangélicos.


Para todos os que crêm em Cristo,com amor fraterno.


Em Cristo,
              Mário César de Abreu

Constatações que fiz ao ouvir uma rádio evangélica


Por Renato Vargens


Depois de um bom tempo sem ouvir rádios evangélicas, decidi sintonizar o dial em uma delas. Na verdade, resolvi ouvir as 10 canções mais pedidas pelos ouvintes de uma rádio muito conhecida no Rio de Janeiro.


Pois bem, cuidadosamente ouvi todas os "louvores" o que me levou as seguintes constatações:


1- 90% das canções tocadas eram antropocêntricas, isto é, a maioria delas não tinha por objetivo a glória de Deus e sim a satisfação do homem. Entre as músicas cantadas encontrei, louvores para uma mãe, decretos e determinações espirituais, além de letras desprovidas de boa teologia, onde foco principal era a satisfação humana.


2- As composições eram extremamente sofríveis. Isso sem falar que em algumas delas, os cantores cantavam como se fossem Deus, profetizando na primeira pessoa do singular bênçãos e mais bênçãos sobre todos aqueles que ao Senhor louvasse.


3- Os ritmos musicais eram pobres. As músicas com poucas notas e as melodias sofríveis.


4- O marketing feito em nome do "artista" era aviltante, isso sem falar é claro, na grande ênfase as bênçãos do Eterno.


Bom, não posso ser injusto, dentre as 10 músicas tocadas, ouvi uma linda canção entoada por Aline Barros e Fernandinho, chamada " Rendido estou" que muito me tocou.


Caro leitor, isto, posto, afirmo sem titubeios que bom seria se as músicas ministradas em nossas rádios fossem diferentes daquilo que temos ouvido. Que maravilha se as músicas cantadas fossem mais cristocêntricas!

Ah! Anseio por ouvir louvores focados em Cristo, por músicas com boas letras, com melodias e com harmonias enriquecidas pela graça de Deus. Anseio por ver como tema das nossas canções, a doutrina da regeneração, a volta do Senhor, a doutrina da eleição, santificação, e a justificação pela fé. Ah! Anseio por ver a igreja brasileira cantando as doutrinas da graça, e a louca porém vitoriosa verdade da cruz.


Que Deus nos ajude!

Renato Vargens
***
Em Cristo,
              Mário César de Abreu

sexta-feira, 27 de abril de 2012

A DOUTRINA DA PROSPERIDADE E O EVANGELHO CHINÊS


Há milhares de testemunhos de cristãos chineses que pagaram um preço elevado por sua fé. Gostaria de compartilhar um deles aqui.

A Irmã Yuen Meng'en era de uma das famílias mais ricas de Xangai. Foi presa em 1967. Era viúva e tinha dois filhos; um menino de onze anos e uma garota de nove. Passou um ano na cadeia, e o DSP resolveu ter"compaixão" dela. O diretor da prisão declarou:

"Sua conduta durante este ano foi excelente, de modo que você merece uma recompensa. Basta confessar seus crimes por escrito e permitiremos que vá para sua casa, cuidar de seus filhos. Com certeza o seu Deus quer que você cuide de sua própria carne e sangue, não é mesmo?"

As autoridades levaram os filhos dela para visitá-la na prisão. Assim que a Irmã Yuen os viu, lágrimas de amor jorraram de seus olhos e ela sentiu o coração partido.

"O que você prefere: seu Jesus ou seus filhos? Se escolher Jesus, fica na prisão. Se escolher os filhos, vai para casa", disseram-lhe.

Deram-lhe caneta e papel e pediram que escrevesse sua decisão.

Quando leram o que ela havia escrito, ficaram espantados, pois ela havia declarado, em letras garrafais:

"Ninguém pode tomar o lugar de Jesus. Nem meus filhos podem ficar no lugar dele."

A Irmã Yuen escolheu ficar presa. O diretor da prisão gritou:

"Ouçam, crianças! Sua mãe rejeitou vocês! Ela não os ama!"

Condenaram-na a mais 23 anos de prisão.

Foi solta em 1981. O filho dela tinha 34 anos e trabalhava para o governo no Tibet. A Irmã Yuen não viu os filhos nem uma vez em todos esses anos. O Estado levou o garoto e ele foi criado em escolas ateístas. Disseram-lhe que sua mãe o havia renegado. Muitos cristãos o visitaram e compartilharam o evangelho, mas ele sempre respondia:

"O Jesus de vocês tirou minha mãe de mim. Por que eu deveria acreditar nele?"

A Irmã Yuen viajou até o Tibet para encontrar o filho. Ele a rejeitou, gritou que não tinha mãe e a expulsou de sua casa.

Ela nunca mais o viu.

O caminho para seguir o Senhor Jesus Cristo não é fácil. Enquanto prosseguimos, sofrimento e dificuldades nos esperam; mas nada se compara ao que Jesus suportou por nós na cruz.

Acho difícil aceitar o ensinamento dominante da "prosperidade", que afirma que, se seguirmos o Senhor, viveremos em conforto e segurança. A Bíblia e nossa experiência na China mostram que isso não é verdade. Além de cumprir pena na prisão durante vários anos, fui detido cerca de trinta vezes por amor ao evangelho de Jesus Cristo.

Seguir a Deus é um chamado para não apenas viver por ele, mas também para morrer por ele. "Se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor." (Rm 14.8.)

Irmão Yun
do livro: O homem do céu Fonte: Blog Evangelho de Jesus Cristo
***

Em Cristo,
Mário César de Abreu

AS NOVAS HERESIAS DE NEUZA ITIOKA


POR: RENATO VARGENS 

Neuza Itioka: Falsas profecias

Quando eu penso que as coisas estão mais calmas nos arraiais evangélicos, eis que surge uma profeteira marcando a volta de Jesus. Quem afirmou isso, foi a "apóstola" brasileira Neuza Itioka. Neuza é Fundadora e presidente do Ministério Ágape Reconciliação e foi "consagrada" ao denominado ministério apostólico em Agosto de 2002. Ela possui o bachareado em Teologia (Faculdade Metodista Livre), é também formada em Pedagogia pela USP e doutora em Missiologia pelo Seminário Teológico Fuller e desde 1988 vem atuando na área de Libertação, Cura Interior e Batalha Espiritual.

Bom, isto posto, a profeteira em questão, em carta enviada de Campo Grande, Mato Grosso do Sul aos Cristãos, afirmou que após assistir a um filme vendido na internet, se preocupou a cerca do que seria uma Nova Ordem Mundial supostamente criada pelas 13 famílias mais ricas do mundo, estes seriam os Iluminates que junto com a ONU estariam trabalhando para acelerar a vinda do anti-cristo. Segundo ela, nos próximo 6 anos teremos tempos difíceis para os Cristãos, até a volta de Jesus em 2017 ou 2018, quando Cristo inauguraria “seu reinado do milênio”. Neusa Itioka também previu para os próximos anos a eliminação de 90% da população mundial.

A teoria de Neuza a cerca da volta de Jesus se baseia na profecia do Rabino Ben Samuel, morto em 1217, que teria dito que 2017 seria um ano especial para Israel.

A fundadora do Ministério Ágape também pediu muitas orações e jejuns, recomendou ler 20 vezes os dois livros de Tessalonicenses e alertou que muitos evangélicos não irão ter com o Pai devido a suas condutas, mudanças de opinião ou pouca dedicação a Deus.

Comentando o TEXTO:



Sinceramente eu não sei como essa senhora consegue criar tantas bobagens e heresias. Ora, fundamentar suas percepções em profecias descabidas e alucinógenas é de uma sandice inigualável.

Lamentavelmente alguns dos denominados evangélicos são profissionais na arte de fabricar mitos e lendas. Aliás, vamos combinar um coisa? Essa senhora precisa de acompanhamento pastoral. Ao afirmar que o inferno está lotado de crentes, Neusa por si só propaga a velha heresia de que o crente em Jesus pode cair da graça. Além disso, fundamentar a volta de Cristo em achismos esquizofrênicos é demais da conta. Para piorar a situação a profeteira tem a cara de pau em afirmar que a base para sua visão escatológica se encontra na profecia de um rabino.

Pois é cara pálida, parece que alguns dos evangélicos têm vocação para ghostbusters, mesmo porque, vêem o diabo em tudo que é lugar. Alias, assusta-me o fato de que o adversário de nossas almas receba tanta atenção por parte dos cristãos. 

Caro leitor, creio veementemente que boa parte dos nossos problemas eclesiásticos se devem ao fato de termos abandonado as Escrituras. Ora, não tenho a menor dúvida de que somente a Bíblia Sagrada é a suprema autoridade em matéria de vida e doutrina; só ela é o árbitro de todas as controvérsias, como também a norma para todas as decisões de fé e vida. Soma-se a isso o fato de que para os cristãos a autoridade da Escritura é superior à da Igreja, da tradição, bem como das experiências místicas adquiridas pelos profetas e profetisas desta geração.

Isto posto, faço minhas as palavras do reformador alemão Martinho Lutero: "Fiz uma aliança com Deus: que Ele não me mande visões, sonhos, nem mesmo anjos. Estou satisfeito com o dom das Escrituras Sagradas, que me dão instrução abundante e tudo oque preciso conhecer tanto para esta vida quanto para o que há de vir"

Soli Deo Gloria,

Renato Vargens
***
Em Cristo,

Mário César de Abreu

O que alguns homens pensam sobre suas mulheres


Por Renato Vargens

Hoje eu li uma história no mínimo curiosa, cujo autor desconheço.


"Um homem chegou em casa do trabalho e encontrou seus 3 filhos do lado de fora, ainda de pijama, brincando na lama, com caixas de comida vazias e embalagens espalhadas pelo jardim. A porta do carro de sua esposa estava aberta, como também a porta de entrada da casa. Não havia nenhum sinal do cachorro. Entrando pela porta, ele encontrou uma confusão ainda maior. O abajur estava derrubado, o tapete encostado contra uma parede, na sala da frente a TV ligada em volume altíssimo no canal de desenhos animados e a sala de jantar repleta de brinquedos jogados e várias roupas espalhadas. Na cozinha, a pia cheia de louça, restos do café da manhã derramados em cima do balcão, a porta da geladeira aberta e a comida do cachorro espalhada pelo chão. Um vidro quebrado debaixo da mesa, e um pequeno monte de areia perto da porta traseira. Ele rapidamente subiu as escadas, pisando em brinquedos e mais pilhas de roupas, procurando sua esposa.


Estava preocupado que ela poderia estar doente, ou que algo sério tivesse acontecido. Foi recebido com um pequeno rio de água que fazia seu caminho pela porta do banheiro afora. Quando ele olhou para dentro, encontrou toalhas molhadas, espuma de sabão e mais brinquedos espalhados pelo chão. Kilômetros de papel higiênico desenrolado e pasta de dente melecada no espelho e pelas paredes.


Ele correu para o quarto, onde encontrou sua mulher ainda deitada na cama, de pijama, lendo um livro. Ela olhou para ele, sorriu e perguntou como havia sido seu dia. Ele olhou para ela confuso e perguntou: 'O que aconteceu aqui hoje?' Ela novamente sorriu e respondeu: 'Você sabe como todos os dias quando você chega em casa do trabalho você me pergunta o que é que eu fico fazendo o dia todo?


'' Sim", foi sua resposta incrédula ..


Ela respondeu: 'Então, hoje eu não fiz."


Caro leitor, alguns homens pensam que suas esposas não passam de empregadas domésticas. Na verdade tenho a impressão que alguns maridos em plena década de 50, quando Ataulfo Alves e Mario Lago compuseram Amélia.

Segundo os famosos compositores, aquela era a mulher de verdade, até porque, achava bonito não comer e nenhuma tinha nenhuma vaidade.



"Ai, meu Deus, que saudade da Amélia
Aquilo sim é que era mulher


Às vezes passava fome ao meu lado
E achava bonito não ter o que comer
Quando me via contrariado
Dizia: "Meu filho, o que se há de fazer!”
Amélia não tinha a menor vaidade
Amélia é que era mulher de verdade"


Pois é, Infelizmente ainda existem homens que se consideram superiores as suas mulheres e que as tratam quase como escravas. Para estes, o mais importante é roupa lavada, almoço bem feito e casa arrumada.


Segundo uma pesquisa publicada no Journal of Family Issue os homens tendem a fazer menos tarefas domésticas depois que se casam. O The Times, que teve acesso ao estudo, afirmou que os homens gastam em média 9,41 horas por semana com tarefas domésticas - menos do que a metade do tempo gasto pelas mulheres: 21,13 horas.


Costumo dizer que este país varonil possui um número incontável de machões e pouquíssimos machos, isto porque, tais criaturas em virtude de uma cultura chauvinista, abominam a possibilidade de terem que ajudar suas esposas nas tarefas domésticas.


Por incrível que pareça existem homens que são incapazes de cozinhar para esposa, arrumar a cama, ou até mesmo organizar a bagunça da casa. Para piorar a situação, alguns deles nem a comida no prato colocam, deixando o “árduo” serviço para a escrava da mulher.


Caro leitor, do ponto de vista cristão, os homens não são melhores do que as mulheres. Na verdade, macho é fêmea são iguais perante o Criador. Cabe portanto aos maridos tratar suas esposas com respeito e dignidade, entendendo que no Senhor ainda que tenhamos papeis diferentes somos todos iguais.


Pense nisso!

Renato Vargens
***
Em Cristo,

Mário César de Abreu

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Pastor faz vídeo na selva para convidar fiéis para a “Segunda-Feira Forte”



Em outros vídeos esse mesmo pastor vai até o fundo do poço e entra em um lamaçal para mostrar que se importa com as pessoas


por Leiliane Roberta Lopes
Pastor faz vídeo na selva para convidar fiéis para a “Segunda-Feira Forte”
A 1ª Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ) de Governador Valadares, em Minas Gerais, inovou mais uma vez em sua propaganda para a campanha da Segunda-Feira Forte. Dessa vez os pastores Wilson Caetano e Elias de Jesus foram para a selva demonstrar força e determinação para quem passa por lutas e deseja vitória.


O vídeo que tem pouco mais de cinco minutos foi gravado em uma mata virgem e mostrou as dificuldades que os pastores enfrentaram para passar por essa selva. “A luta é grande, mas nós vamos avançar. Tudo pela Segunda-Feira Forte”, disse o pastor que já esteve participando de outros vídeos onde aparece dentro de um poço e lutando na lama.


Fazendo uma analogia com os problemas da vida, o pastor Wilson diz que é preciso estar preparado para a guerra e que o soldado precisa estar pronto para vencer.


“Qual é o pastor que sai de madrugada para lutar a guerra das pessoas?”, diz ele que em seguida dá um grito de guerra e segue andando pela mata acompanhado pelo pastor Elias e carregando uma garrafa com óleo.


Em outra parte do vídeo os pastores aparecem dentro de um rio dizendo que a Segunda-Feira Forte será um dia de guerra. “Vai ser tudo ou nada”, disse ele fazendo o convite dizendo que no culto a pessoa vai receber o “óleo de fogo” que vai queimar todo o mal que se levantou contra os fiéis que estiverem no culto.


Veja o vídeo:


Fonte: Gospel prime notícias
***
Minha opinião: Pura invencionice sem base bíblica;Me dá vontade de ligar para estes pastores e perguntar se eles conhecem alguma coisa do evangelho e onde foi que eles aprenderam estas coisas.


Em Cristo,


Mário César de Abreu

quarta-feira, 25 de abril de 2012

"Nós ainda adoramos a ídolos como dinheiro, poder e posses”, afirma Billy Graham


por Jarbas Aragão



“Nós ainda adoramos a ídolos como dinheiro, poder e posses”, afirma Billy Graham
Segundo uma pesquisa divulgada este ano, o evangelista Billy Graham é considerado um dos homens mais admirados dos Estados Unidos. Por causa dos problemas de saúde, aos 92 anos ele não faz mais as cruzadas evangelísticas que o tornaram mundialmente famoso. Entregou a direção do seu ministério ao filho, Franklin Graham, e há algum tempo a Associação Billy Graham adotou a internet como seu instrumento principal de proclamação do evangelho.

Porém, Billy continua ativo na obra e tem vários artigos reproduzidos em diferentes jornais dos Estados Unidos. Em uma coluna do jornal Chicago Tribune esta semana, ele respondeu a um leitor sobre o que pensa sobre a chamada “teologia da prosperidade” que é o foco central de muitas igrejas. Sua resposta foi:

Não podemos nos curvar aos ídolos feitos de pedra ou de metal, como as pessoas faziam antigamente (e algumas ainda fazem em diferentes partes do mundo). Mas isso não significa que nós [evangélicos] não temos nossos próprios “ídolos” hoje. Ou seja, temo que ainda servimos a coisas com a mesma devoção que eles tinham.

Tomemos, por exemplo, a nossa preocupação com o dinheiro e bens materiais. Isso não é necessariamente errado, é claro, pois precisamos deles para cuidar dos nossos entes queridos e termos uma vida confortável. Mas ambos podem facilmente tornar-se “ídolos” que seguimos servilmente e deixamos de lado as coisas mais importantes em nossas vidas. Em vez de servir a Deus, servimos ao dinheiro e às coisas – e elas acabam nos controlando. Lembre que Jesus advertiu: “Ninguém pode servir a dois senhores …. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro” (Mateus 6:24).

Tenho certeza que você pode pensar em várias coisas que se tornaram ídolos para nós. Por exemplo, o prazer, o sexo, o entretenimento, o prestígio social, a beleza ou o poder. Contudo, a verdadeira questão é esta: A que “ídolos” servimos? O que temos colocado em nossa vida no lugar que pertence somente a Deus? A Bíblia diz: “Filhinhos, guardai-vos dos ídolos” (1 João 5:21).

Certifique-se de seu compromisso com Jesus Cristo, e procure segui-Lo todos os dias. Não se deixe influenciar pelos falsos valores e objetivos deste mundo, mas coloque Cristo e Sua vontade em primeiro lugar em tudo que você faz.


Traduzido e adaptado de Chicago Tribune

Fonte: Gospel prime
***
Em Cristo,

Mário César de Abreu

SEGUINDO AO SENHOR JESUS



E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me(Lc 9.23)acf


Amados,seguir a Cristo verdadeiramente,é viver de um modo que o mundo não pode entender; a vida de renúncia(negue-se a si mesmo) e de levar"a cada dia"a nossa cruz é loucura para o mundo.

Levar nossa cruz,não é carregar pesados fardos,pois o Senhor disse que seu jugo é suave e seu fardo é leve (Mt 11.30 ) e sim renunciar as ambições do nosso ego,é buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça,fazendo a vontade do Senhor Jesus,sendo participantes dos seus sofrimentos na cruz através de um testemunho de vida no caminho do evangelho.

Lucas acrescenta as palavras: "a cada dia" porque temos que progressiva e continuamente tomar a nossa cruz.

Se não estamos sendo alvos dos olhares de discriminação do mundo,temos que reavaliar nossa carreira cristã, alguma coisa não vai indo bem.

O Senhor Jesus nos propõe : "...se alguém quer vir após mim...",veja que Ele nos dá a opção de segui-lo,não nos obriga, portanto,se quisermos seguir a carreira que nos está proposta,devemos deixar todos os embaraços e o pecado que tão de perto nos rodeia(cf Hb 12.1).

Seguir o Senhor é coisa séria,é sermos diferentes em todos os nossos caminhos; em casa,na igreja,no trabalho,na escola,no namoro ou casamento, enfim em tudo.

Seguir a Cristo é não nos conformarmos com este mundo(o sistema mundano de valores que contraria a vontade do Senhor) ( cf Rm 12.1)

Em tudo temos que nos impor limites,os quais não nos deixam mais ser "escravos do pecado",pelo contrário,nos torna livres em Cristo(cf Jo 8.36); assim somos "servos do Senhor".
Lembremos sempre: Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem(Mt 7.13,14)acf.

Em Cristo,

Mário César de Abreu

terça-feira, 24 de abril de 2012

Verdades que não podemos esquecer

Por Hernandes Dias Lopes
 

O apóstolo Paulo, em sua primeira carta à igreja de Corinto, no capítulo seis, repete seis vezes a mesma expressão: “Não sabeis?” (1Co 6.2,3,9,15,16,19). Com isso, Paulo está enfatizando a necessidade de conhecer algumas verdades absolutas e não esquecê-las jamais. Que verdades são essas que precisamos tanto conhecer?

1. Não sabeis que os santos hão de julgar o mundo? (1Co 6.2). É vergonhoso quando a igreja perde sua capacidade de resolver seus próprios conflitos e leva suas causas domésticas para fora dos seus portões, para serem julgadas por aqueles que um dia serão julgados pela própria igreja. Isso é inverter os papéis. Isso é um contra senso.

2. Não sabeis que havemos de julgar os próprios anjos? (1Co6.3). A igreja não apenas será levada para o céu, mas também assentar-se-á em tronos. Não apenas estará livre de condenação, mas também julgará o mundo e os anjos. Por causa da graça de Deus e da morte expiatória de Cristo na cruz, os crentes deixaram de ser réus para serem juízes.

3. Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? (1Co 6.9). Paulo é categórico em afirmar que os impuros, idólatras, adúlteros, homossexuais ativos e passivos, ladrões, avarentos, bêbados, maldizentes e roubadores não herdarão o reino de Deus. Esses indivíduos podem até mesmo receber na terra todos os troféus da fama, conquistar todas as medalhas do sucesso e cruzar todas as passarelas cheias de encanto e beleza, mas jamais entrarão no reino de Deus; podem até mesmo ser aplaudidos pelos homens, mas não entrarão na Cidade Santa. A menos que se arrependam de seus pecados, podem até ganhar o mundo inteiro, mas perderão a sua alma.

4. Não sabeis que os vossos corpos são membros de Cristo?
(1Co 6.15).Cristo é o cabeça da igreja e a igreja é o corpo de Cristo e nós somos individualmente membros desse corpo. Entregar nosso corpo à impureza é arrastar o nome de Cristo para a lama. Teríamos nós coragem de tomar os membros de Cristo e fazê-los membros de meretriz? Só em pensar nessa grosteca possibilidade já seria consumada blasfêmia. Entretanto, muitos crentes em vez de consagrar seus corpos a Deus e glorificarem a Deus em seu corpo, entregam-se à impureza e desonram o nome de Cristo.

5. Não sabeis que o homem que se une à prostituta forma um só corpo com ela? (1Co 6.16). A intimidade sexual é uma bênção destinada por Deus aos que se unem legitimamente em casamento. O sexo antes do casamento é fornicação e fora dele é adultério. Ambos os pecados são condenados por Deus e atraem o juízo divino. A sociedade pode até incentivar essas práticas e tentar apagar das consciências a culpa, mas não pode anular a verdade de Deus, por cujo crivo, um dia todos os homens serão julgados.

6. Não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo?
(1Co 6.19).Nosso corpo não foi criado para a impureza, mas para o Senhor. Nosso corpo foi comprado por Deus e deve estar a serviço de Deus e promover a glória de Deus. Nosso corpo não pode ser mais a morada da iniquidade, pois foi lavado no sangue do Cordeiro de Deus e transformado em santuário do Altíssimo. Nosso corpo não é mais o teatro onde o diabo realiza seus shows mais escandalosos, mas o santo dos santos, onde a glória de Deus se manifesta.
***
Fonte: Palavra da Verdade
***
Em Cristo,
             
               Mário César de Abreu

Alegria indizível, evidência da plenitude do Espírito


Por Hernandes Dias Lopes



O apóstolo Pedro em sua primeira carta fala da alegria indizível e cheia de glória. Essa alegria é mais do que um sentimento que alimentamos, fruto de circunstâncias favoráveis. Essa alegria não vem de nós mesmos nem dos outros. É uma alegria vinda de cima, gerada por Deus, ação do Espírito Santo em nós. Martyn Lloyd-Jones em seu livro Joy Inspeakeable, afirma que essa alegria é o resultado da plenitude do Espírito Santo. Vamos, agora, considerar algumas características dessa alegria:

Em primeiro lugar, a alegria indizível tem uma origem divina. Não produzimos essa alegria indizível na terra. Ela não é resultado de uma personalidade amável, de um temperamento dócil nem mesmo de circunstâncias favoráveis. Nenhuma experiência vivida por nós, por mais intensa e arrebatadora poderia ser classificada como uma alegria indizível e cheia de glória. Essa alegria tem uma origem celestial. Vem do céu. Deus é a fonte dessa alegria. Só na presença dele existe plenitude de alegria. Só na sua destra há delícias perpetuamente.

Em segundo lugar, a alegria indizível tem uma natureza sobrenatural. A Bíblia diz que a alegria faz parte do próprio conteúdo do evangelho, pois o evangelho é boa nova de grande alegria. O reino de Deus que está dentro de nós é alegria no Espírito Santo. O fruto do Espírito é alegria e a ordem de Deus é: “Alegrai-vos”. A alegria que nasce em Deus e jorra para o nosso coração por intermédio do Espírito Santo não é apenas um sentimento de bem-estar nem apenas um momento de euforia que se esvai com o tempo. Não é como a alegria passageira que os aventureiros buscam na cama do adultério nem como o êxtase que se busca nas aventuras loucas das drogas. Pelo contrário, é uma alegria pura e santa que asperge a alma com o bálsamo da paz. É um contentamento que domina mente e coração mesmo que as circunstâncias sejam tempestuosas. Pedro fala dessa alegria para os crentes da dispersão, para gente que estava sendo banida da sua terra e perseguida pelo mundo.

Em terceiro lugar, a alegria indizível tem um propósito glorioso. Quando o povo de Deus desfruta da alegria de Deus, o próprio Deus é glorificado. Não há melhor recomendação do evangelho do que um indivíduo experimentar a antecipação da glória neste mundo tenebroso. Não há impacto mais poderoso no mundo do que um cristão, depois de ser torturado, ainda cantar na prisão. Não há argumento mais eloquente acerca do poder do evangelho do que um cristão ser afligido e ainda assim estar com um brilho na sua face e cânticos de louvor em seus lábios. Não há evidência mais robusta acerca do poder de Deus do que um cristão, mesmo depois de enfrentar as perdas mais severas ainda adorar a Deus e dizer: “O Senhor Deus deu, o Senhor Deus tomou, bendito seja o nome do Senhor”.

Em quarto lugar, a alegria indizível tem um resultado extraordinário. Se o propósito da alegria indizível é trazer glória ao nome de Deus no céu, o seu resultado é transformar vidas na terra. A alegria indizível do povo de Deus é um testemunho eloquente acerca do poder transformador do evangelho. É um argumento irresistível, uma prova insofismável e uma evidência irrefutável de que o evangelho não é um sugestionamento barato para iludir pessoas incautas, mas o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê. A alegria é uma poderosa força evangelizadora na terra. A alegria do povo de Deus é uma voz altissonante acerca da eficácia da mensagem evangélica. Na verdade é uma espécie de apologética final, o argumento irresistível. Neste mundo marcado de tantas más notícias e encharcado de tanta tristeza, podemos experimentar a alegria do céu, a alegria vinda de Deus, a alegria indizível e cheia de glória. Sua alma já transborda dessa alegria? Esse é um privilégio dos remidos do Senhor e uma evidência da plenitude do  Espírito Santo.

***
Fonte: Palavra da Verdade
***
Em Cristo,

            Mário César de abreu

segunda-feira, 23 de abril de 2012

O Surgimento da Escola Dominical




"A minúscula semente de mostarda que se transformou numa grande árvore"
Sentado a sua mesa de trabalho num domingo em outubro de 1780 o dedicado jornalista, Robert Raikes procurava concentrar-se sobre o editorial que escrevia para o jornal de Gloucester, de propriedade de seu pai. Foi difícil para ele fixar a sua atenção sobre o que estava escrevendo pois os gritos e palavrões das crianças que brincavam na rua, debaixo da sua janela, interrompiam constantemente os seus pensamentos. Quando as brigas tornaram-se acaloradas e as ameaças agressivas, Raikes julgou ser necessário ir à janela e protestar do comportamento das crianças. Todos se acalmaram por poucos minutos, mas logo voltaram às suas brigas e gritos.

Robert Raikes contemplou o quadro em sua frente; enquanto escrevia mais um editorial pedindo reforma no sistema carcerário. Ele conclamava as autoridades sobre a necessidade de recuperar os encarcerados, reabilitando-os através de estudo, cursos, aulas e algo útil enquanto cumpriam suas penas, para que ao saírem da prisão pudessem achar empregos honestos e tornarem-se cidadãos de valor na comunidade. Levantando seus olhos por um momento, começou a pensar sobre o destino das crianças de rua; pequeninos sendo criados sem qualquer estudo que pudesse lhes dar um futuro diferente daquele dos seus pais. Se continuassem dessa maneira, muitos certamente entrariam no caminho do vício, da violência e do crime.

A cidade de Gloucester, no Centro-Oeste da Inglaterra, era um polo industrial com grandes fábricas de têxteis. Raikes sabia que as crianças trabalhavam nas fábricas ao lado dos seus pais, de sol a sol, seis dias por semana. Enquanto os pais descansavam no domingo, do trabalho árduo da semana, as crianças ficavam abandonadas nas ruas buscando seus próprios interesses. Tomavam conta das ruas e praças, brincando, brigando, perturbando o silêncio do sagrado domingo com seu barulho. Naquele tempo não havia escolas públicas na Inglaterra, apenas escolas particulares, privilégio das classes mais abastadas que podiam pagar os custos altos. Assim, as crianças pobres ficaram sem estudar; trabalhando todos os dias nas fábricas, menos aos domingos.

Raikes sentiu-se atribulado no seu espírito ao ver tantas crianças desafortunadas crescendo desta maneira; sem dúvida, ao atingir a maioridade, muitas delas cairiam no mundo do crime. O que ele poderia fazer?


Por um futuro melhor

Sentado a sua mesa, e meditando sobre esta situação, um plano nasceu na sua mente. Ele resolveu fazer algo para as crianças pobres, que pudesse mudar seu viver, e garantir-lhes um futuro melhor! Pondo ao lado seu editorial sobre reformas nas prisões, ele começou a escrever sobre as crianças pobres que trabalhavam nas fábricas, sem oportunidade para estudar e se preparar para uma vida melhor. Quanto mais ele escrevia, mais sentia-se empolgado com seu plano de ajudar as crianças. Ele resolveu neste primeiro editorial somente chamar atenção à condição deplorável dos pequeninos, e no próximo ele apresentaria uma solução que estava tomando forma na sua mente.

Quando leram seu editorial, houve alguns que sentiram pena das crianças, outros que acharam que o jornal deveria se preocupar com assuntos mais importantes do que crianças, sobretudo, filhos dos operários pobres! Mas Robert Raikes tinha um sonho, e este estava enchendo seu coração e seus pensamentos cada vez mais! No próximo editorial, expôs seu plano de começar aulas de alfabetização, linguagem, gramática, matemática, e religião para as crianças, durante algumas horas de domingo. Fez um apelo através do jornal, para mulheres com preparo intelectual e dispostas a ajudar-lhes neste projeto, dando aulas nos seus lares. Dias depois um sacerdote anglicano indicou professoras da sua paróquia para o trabalho.

O entusiasmo das crianças era comovente e contagiante. Algumas não aceitaram trocar a sua liberdade de domingo, por ficar sentadas na sala de aula, mas eventualmente todos estavam aprendendo a ler, escrever e fazer as somas de aritmética. As histórias e lições bíblicas eram os momentos mais esperados e gostosos de todo o currículo. Em pouco tempo, as crianças aprenderam não somente da Bíblia, mas lições de moral, ética, e educação religiosa. Era uma verdadeira educação cristã.

Robert Raikes, este grande homem de visão humanitária, não somente fazia campanhas através de seu jornal para angariar doações de material escolar, mas também agasalhos, roupas, sapatos para as crianças pobres, bem como mantimentos para preparar-lhes um bom almoço aos domingos. Ele foi visto freqüentemente acompanhado de seu fiel servo, andando sob a neve, com sua lanterna nas noites frias de inverno. Raikes fazia isto nos redutos mais pobres da cidade para levar agasalho e alimento para crianças de rua que morreriam de frio se ninguém cuidasse delas; conduzindo-as para sua casa, até encontrar um lar para elas.

As crianças se reuniam nas praças, ruas e em casas particulares. Robert Raikes pagava um pequeno salário às professoras que necessitavam, outras pagavam suas despesas do seu próprio bolso. Havia, também, algumas pessoas altruistas da cidade, que contribuíam oara este nobre esforço.


Movimento mundial


No começo Raikes encontrou resistência ao seu trabalho, entre aqueles que ele menos esperava, os líderes das igrejas. Achavam que ele estava profanando o domingo sagrado, e profanando as suas igrejas com as crianças ainda não comportadas. Havia nestas aturas, algumas igrejas que estavam abrindo as suas portas para classes bíblicas dominicais, vendo o efeito salutar que estas tinham sobre as crianças e jovens da cidade. Grandes homens da igreja, tais como João Wesley, o fundador do metodismo, logo ingressaram entusiasticamente na obra de Raikes, julgando-a ser um dos trabalhos mais eficientes para o ensino da Bíblia.

As classes bíblicas começaram a se propagar rapidamente por cidades vizinhas e, finalmente, para todo o país. Quatro anos após a fundação, a Escola Dominical já tinha mais de 250 mil alunos, e quando Robert Raikes faleceu em 1811, já havia na Escola Dominical 400 mil alunos matriculados.

A primeira Associação da Escola Dominical foi fundada na Inglaterra em 1785, e no mesmo ano, a União das Escolas Dominicais foi fundada nos Estados Unidos. Embora o trabalho tivesse começado em 1780, a organização da Escola Dominical em caráter permanente, data de 1782. No dia 3 de novembro de 1783 é celebrada a data de fundação da Escola Dominical. Entre as igrejas protestantes, a Metodista se destaca como a pioneira da obra de educação religiosa. Em grande parte, esta visão se deve ao seu dinâmico fundador João Wesley, que viu o potencial espiritual da Escola Dominical, e logo a incorporou ao grande movimento sob sua liderança.

A Escola Bíblica Dominical surgiu no Brasil em 1855, em Petrópolis (RJ). O jovem casal de missionários escoceses, Robert e Sarah Kalley, chegou ao Brasil naquele ano, e logo instalou uma escola para ensinar a Bíblia para as crianças e jovens daquela região. A primeira aula foi realizada no domingo, 19 de agosto de 1855. Somente cinco participaram, mas Sarah, contente com "pequenos começos" contou a história de Jonas, mais com gestos, do que palavras, porque estava só começando a aprender o português. Mas, ela viu tantas crianças pelas ruas, e seu coração almejava ganhá-las para Jesus. A semente do Evangelho foi plantada em solo fértil.

Com o passar do tempo aumentou tanto o número de pessoas estudando a Bíblia, que o missionário Kalley iniciou aulas para jovens e adultos. Vendo o crescimento, os Kalleys resolveram mudar para o Rio de Janeiro, para dar uma continuidade melhor ao trabalho e aumentar o alcance do mesmo. Este humilde começo de aulas bíblicas dominicais deu início à Igreja Evangélica Congregacional no Brasil.

No mundo, há muitas coisas que pessoas sinceras e humanitárias fazem, sem pensar ou imaginar a extensão de influência que seus atos podem ter. Certamente, Robert Raikes nunca imaginou que as simples aulas que ele começou entre crianças pobres, analfabetas da sua cidade, no interior da Inglaterra, iriam crescer para ser um grande movimento mundial. Hoje, a Escola Dominical conta com mais de 60 milhões de alunos matriculados, em mais de 500 mil igrejas protestantes no mundo. É a minúscula semente de mostarda plantada e regada, que cresceu para ser uma grande árvore cujos galhos estendem-se ao redor do globo.

Fonte: CPAD Divulgação:A Voz do Brasil para Cristo/
 JESUS É O SENHOR  

Em Cristo,

Mário César de Abreu

Depressão, o cárcere da alma



A depressão foi definida por Andrew Solomon como um parasita que suga a seiva da nossa vida. É como engolir seu próprio funeral e vestir-se de uma roupa de madeira. A depressão é o cárcere da alma, a masmorra das emoções, o cativeiro que priva milhões de pessoas de nutrirem na alma, a esperança do amanhã. A depressão é classificada como uma doença e, essa doença, que possui múltiplas causas, atinge ricos e pobres, jovens e velhos, doutores e analfabetos, religiosos e ateus. A depressão é uma doença que provoca muitas outras. Se não tratada convenientemente pode desembocar em tragédias irremediáveis. A depressão é a principal causa do suicídio no mundo.

John Piper, em seu livro O Sorriso Escondido de Deus, trata deste assunto com esmerado cuidado. Há duas posições que circulam no meio evangélico sobre o assunto, que revelam um desequilíbrio perigoso. A primeira delas liga a depressão à ação demoníaca. Os defensores dessa vertente afirmam que as pessoas deprimidas estão oprimidas e até possuídas por demônios. A segunda interpretação vincula a depressão a algum pecado específico ainda não confessado. Assim, uma pessoa fica deprimida porque esconde algum pecado que precisa ser confessado e abandonado. Não subscrevemos essas duas interpretações. Julgamo-las deficientes e assaz injustas. É muito verdade que uma pessoa pode ficar deprimida em virtude de seu envolvimento com demônios e também como resultado de algum pecado escondido. Porém, uma pessoa pode ser assolada pela depressão, mesmo levando uma vida cheia do Espírito Santo. Assim como um indivíduo pode ser cheio do Espírito e ter um problema cardíaco, também uma pessoa pode estar plena da presença de Deus e enfrentar o drama da depressão.

Se há várias causas que provocam a depressão, também há vários sintomas que a revelam. O primeiro sintoma é que a pessoa deprimida é tomada por uma desesperança crônica e passa a enxergar a vida pelas lentes escuras do pessimismo. Não vê uma luz no fim do túnel nem janelas de escape. Foi o que aconteceu com o profeta Elias. Pensou que somente ele havia restado dos profetas de Deus em Israel, quando na verdade sete mil ainda não haviam se dobrado a Baal. O segundo sintoma é olhar para a vida pelas lentes do retrovisor. Uma pessoa deprimida sente uma saudade mórbida dos bons tempos que se foram e se desespera diante das incertezas do seu futuro. Sente-se num calabouço existencial e sem ânimo e forças para sair desse cárcere da alma. Nessa saga cheia de pavores, flerta com a própria morte. Não que seu desejo seja de fato morrer, mas é que sente uma dor tão profunda na alma que o único alívio que consegue vislumbrar é o alívio da morte. Não podemos subestimar esses presságios que rondam a alma de uma pessoa depressiva. Isso é uma espécie de alarme, uma trombeta que precisa de encontrar ouvidos sensíveis. É por essa razão, que o terceiro sintoma de uma pessoa deprimida é um completo desânimo quanto ao futuro. É o desejo de fechar as cortinas da vida e colocar um ponto final na existência.

Como devemos lidar com a depressão? Como ajudar uma pessoa deprimida? Primeiro, precisamos orar por ela e com ela. Depois, precisamos cientificar-nos se essa pessoa está recebendo o tratamento médico adequado para a sua doença. Ainda, precisamos estar perto dela, oferecendo-lhe um ombro amigo, um ouvido atento e um coração generoso. Finalmente, precisamos compartilhar com ela a esperança do evangelho, o poder da graça de Deus e o consolo das Escrituras. Deus nos vivifica segundo a sua Palavra. Ele tira a nossa alma do cárcere. Ele acende uma luz de esperança no túnel escuro do nosso sofrimento. Deus arranca os gemidos da nossa alma e coloca em nossos lábios, um cântico de vitória. Em síntese, trata-se da depressão com remédio, terapia e fé.

Rev. Hernandes Dias Lopes     Palavra da Verdade
***
Em Cristo,

Mário César de Abreu

O consolo de Deus na hora do luto


De todas as dores da vida, a dor do luto parece ser a mais aguda. É uma dor que lateja na alma e assola nossa vida. Todos nós, num dado momento da vida, teremos que enfrentar essa dor. Não existe nenhuma família que escape desse drama. Não é fácil ser privado do convívio de alguém que amamos. Não é fácil enterrar um ente querido ou um amigo do peito. Não é fácil lidar com o luto. Já passei várias vezes por esse vale de dor e sombras. Já perdi meus pais, três irmãos e sobrinhos. Sofri amargamente. Passei noites sem dormir e madrugas insones. Molhei meu travesseiro e solucei na solidão do meu quarto. A dor do luto dói na alma, aperta o peito, esmaga o coração e arranca lágrimas dos nossos olhos. Jesus chorou no túmulo de Lázaro e os servos de Deus pranteavam seus mortos. Porém, há consolo para os que choram. Aqueles que estão em Cristo têm uma viva esperança, pois sabem que Jesus já venceu a morte. Ele matou a morte e arrancou seu aguilhão. Agora a morte não tem mais a última palavra. Jesus é a ressurreição e a vida. Aqueles que nele creem nunca morrerão eternamente. Agora, choramos a dor da saudade, mas não o sentimento da perda. Perdemos quem que não sabemos onde está. Quando enterramos nossos mortos, sabemos onde eles estão. Eles estão no céu com Jesus. Para os filhos de Deus, que nasceram de novo, morrer é deixar o corpo e habitar com o Senhor. É partir para estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor. Os que morrem no Senhor são bem-aventurados!
O fato de termos esperança não significa que deixamos de sofrer. A vida não é indolor. Nossa caminhada neste mundo é marcada por dissabores, decepções, fraquezas, angústias, sofrimento e morte. Aqui cruzamos desertos tórridos, descemos a vales profundos, atravessamos pântanos perigosos. Nossos pés são feridos, nosso coração afligido e nossa alma geme de dor. Não estamos, porém, caminhando rumo a um entardecer cheio de incertezas. O fim da nossa jornada não é um túmulo gelado, mas a bem-aventurança eterna. Entraremos na cidade celestial com vestes alvas e com palmas em nossas mãos. Celebraremos um cântico de vitória e daremos glória pelos séculos sem fim, ao Cordeiro de Deus, que morreu por nós, ressuscitou, retornou ao céu e voltará em glória para buscar sua igreja. Teremos um corpo imortal, incorruptível, poderoso, glorioso e celestial, semelhante ao corpo da glória de Cristo. Deus enxugará dos nossos olhos toda a lágrima. As lembranças do sofrimento ficarão para trás. Na Nova Jerusalém, na Cidade Santa, no Paraíso de Deus, na Casa do Pai, não haverá mais luto nem pranto nem dor. Ali reinaremos com Cristo e desfrutaremos das venturas benditas que ele preparou para nós. Nossa tribulação aqui, por mais severa, será apenas leve e momentânea, se comparada com as glórias por vir a serem reveladas em nós. O nosso choro pode durar uma noite inteira, mas a alegria virá pela manhã!
Três verdades essenciais do Cristianismo formam as colunas de sustentação da nossa viva esperança. A primeira delas é que Jesus ressuscitou dentre os mortos e triunfou sobre a morte. Agora, a morte não tem mais a última palavra. A morte foi tragada pela vitória! A segunda verdade é que Jesus voltou ao céu e enviou o Espírito Santo, o Consolador, para estar para sempre conosco. Não estamos órfãos. Não caminhamos sozinhos pelos vales escuros da vida. O Espírito Santo consolador está em nós e intercede por nós ao Deus que está sobre nós. A terceira verdade é que Jesus vai voltar gloriosamente para buscar sua igreja. Naquele glorioso dia, os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro e os que estiverem vivos serão transformados e arrebatados para encontrar o Senhor Jesus nos ares, e assim, estaremos para sempre com o Senhor. Essas verdades enchem o nosso peito de doçura e abrem para nós uma eterna fonte de consolação!

Rev. Hernandes Dias Lopes
***
FONTE:PALAVRA DA VERDADE
***
Em Cristo,

Mário César de Abreu

domingo, 22 de abril de 2012

A SEGUNDA PARTE DE "COMO ZAQUEU"


Por Alan Capriles


A segunda parte da história de Zaqueu, que Régis Danese não cantou em seu famoso louvor "Faz um Milagre em Mim" (Como Zaqueu):

Como Zaqueu

Quero dar aos pobres
A metade do que eu tiver
E se eu houver
Enganado alguém
Restituo quatro vezes mais



Pergunto, com todo o respeito:
- Por que será que o Régis Danese não cantou isso?
- E será que alguém aí ainda quer mesmo ser como Zaqueu?

"Entrementes, Zaqueu se levantou e disse ao Senhor: Senhor, resolvo dar aos pobres a metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, restituo quatro vezes mais."
(Lucas 19:8)


Fonte: Blog do Alan Capriles                http://alancapriles.blogspot.com.br/

Em Cristo,

Mário César de Abreu

Postagem em destaque

JESUS CRISTO, O GRANDE “EU SOU”

O evangelho de João prova, de forma cabal, a divindade de Jesus Cristo. Faz isso, usando dois expedientes. Primeiro, mostrando que ele t...