Malafaia pediu, a gente posta: “blogueiros são filhos do diabo”, diz o pastor


Publicado em 5 de setembro de 2011 por Leonardo Gonçalves

Por Vera Siqueira

O Pr. Silas Malafaia, no programa da semana passada (pois nessa semana ele está reprisando pela enésima vez a profetada gospel do Morris Cerullo), incitou os sites e blogs apologéticos, que criticam sua famigerada Teologia da Prosperidade, a postar o vídeo onde ele chama os blogueiros de “filhos do diabo”.

Pois bem, Silas, abaixo está o vídeo. Apesar de tristes por um pastor se deixar comprar pelos ensinos heréticos da teologia da prosperidade, que nada têm a ver com o Evangelho puro e simples de Jesus Cristo, ficamos felizes por saber que somos reconhecidos como diabos (adversários) dos profetas de Mamom, dos fariseus pós-modernos, dos lobos que ensinam as ovelhas a entesourarem na terra, a colocarem seus corações nas bênçãos materiais, ao invés de buscarem unicamente, e sem maiores interesses, a Jesus.



A Deus (ao verdadeiro!) seja toda a honra e toda a glória para sempre!
***
Vera Siqueira edita o blog Estrangeira no Mundo e é colunista do Púlpito Cristão

Comentário de Leonardo Gonçalves

Silas Malafaia vendeu a alma a Mamom: Aquele que foi um dos maiores rebatedores desta heresia, hoje anda de mãos dadas com Morris Cerrulo, Mike Murdok, Myles Munroe e outros mercenários da fé. Mas, será que isso é tão ruim assim? Será que essa tal teologia da prosperidade é mesmo tão aberrante como a gente diz? Creio que sim, pelas seguintes razoes:

Em primeiro lugar, a teologia da prosperidade esvazia Deus da sua glória onipotente, indo na contra-mão da sua soberania. “A soberania de Deus é a doutrina que afirma que Deus é supremo, tanto em governo quanto em autoridade sobre todas as coisas. Nos círculos dos “ensinos da fé” [i.e. Movivento da Confissão Positiva / Teologia da Prosperidade], ela não é levada muito a sério. Verbos como exigir, decretar, determinar, reivindicar freqüentemente substituem os verbos pedir, rogar, suplicar etc.” (ROMEIRO, Paulo: Super Crentes)

A teologia da prosperidade também é execrável porque transforma o culto a Deus em uma reunião antropocêntrica, isto é, o centro do culto não é Deus e sua glória, nem mesmo Cristo e seu poder redentor, mas o homem e suas necessidades. É um culto totalmente humano, onde o fiel é o centro das atençoes e todos os movimentos do universo devem satisfazer seu ego voraz. Ora, isso só já seria suficiente para rejeitar essa teologia apóstata.

Mas a teologia da prosperidade também parte de um pressuposto demoniaco. Ora, basta observar Mateus capítulo 4 para constatar que quem oferece o mundo em troca de adoração é o diabo, e não Deus. Por isso, não hesitamos em dizer que este evangelho moderno pregado pelo senhor Malafaia e pelos demais arautos da prosperidade, serve aos propósitos de Satanás, e não de Deus. É teologia diabólica, fabricada no coração da antiga serpente para envergonhar, confundir e condenar.

A teologia da prosperidade é herética porque esconde a cruz. Qual foi a última vez que você ouviu um desses televangelistas pregarem sobre a cruz, necessidade de arrependimento, perdão e vida eterna? Na verdade, os pregoeiros da prosperidade esconderam a cruz e anteciparam a coroa! Prometem a glória e o reino na terra, e nem de longe tratam com o problema do pecado que aflige a alma humana. É um evangelho de glorias falsas, que vende a ilusão de que os problemas desaparecerão assim que a oferta for depositada no altar.

Finalmente, a teologia da prosperidade é um capitalismo disfarçado de espiritualidade. Um consumismo travestido de culto religioso onde Mamom, divindade do panteão caldeu, é quem dita as regras do jogo. Dá muita tristeza ver a igreja, que devia promover equilibrio social através de uma missão integral, espoliar o povo sob promessas absurdas de uma prosperidade falsa que só enriquece seus arautos.


Cada vez que leio a narrativa de Atos dos Apóstolos, fico ainda mais revoltado com o que os modernos pastores estão fazendo com o cristianismo. Nos tempos do cristianismo primitivo, ser pastor significava tornar-se alvo. Eles eram os primeiros a morrer em tempos de crise e perseguição. Hoje é diferente: ser pastor significa ter status. E os crentes? Estes eram humilhados, aprisionados e açoitados, lançados às feras; outros eram queimados vivos na ponta de uma estaca para iluminar os jardins do imperador. Vejo isso e me pergunto onde estava a prosperidade desses homens? Onde está a promessa de riqueza na vida deles? Será que eles não eram crentes? Sim, o eram. E em maior proporção que muitos de nós, que em meio à comodidade e ao luxo nos esquecemos de incluir Deus na nossa agenda diária.

E não é só na igreja primitiva que encontramos esses exemplos não: e o que dizer dos crentes de aldeias paupérrimas da África, que padecem das coisas mais necessárias e comuns? Crentes que fazem uma só refeição por dia e ainda agradecem a Deus pelo pouco que têm. Será que eles são amaldiçoados? Será que a promessa de prosperidade não se estende a eles? Quanta hipocrisia!

Quando ouço falar de pastores presidentes que vivem nababescamente com o dinheiro de dízimos e ofertas, quando vejo telepastores cuja renda mensal ultrapassa a cifra dos milhoes de reais, meu coração entristece ao ver o quanto nos distanciamos daquele cristianismo bíblico, saudável, puro e simples, que não promete riquezas na terra, mas garante um tesouro no céu.

Definitivamente, não posso compactuar com esse comércio da fé. Não posso concordar com essa doutrina diabólica e anticristã que transforma o evangelho em uma empresa religiosa, onde o distintivo do crente não é o amor, mas a folha de pagamento do “fiel”. Não consigo deixar de odiar esse sistema porco, imundo, onde o nome de Jesus é usado para ludibriar, corromper e escravizar. Também não posso deixar de desmascarar esses falsos mestres, discípulos de Balaão, que por causa da paixão pelo vil metal vão além dos limites bíblicos e profetizam o que Deus não mandou.

E se por causa disso somos chamados de “diabos”, ah… que alegria isso me dá! Chamaram meu Mestre de Belzebú, o que nao dirão de mim, um pobre candidato à servo inútil, sem méritos ou obras, cuja única glória é a cruz? Ah… me chame de diabo, de demônio, de filho do inferno se quiser! Meu esconderijo é a cruz, e Cristo é quem me justifica.

“Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós” (Mt 5.10-12)

Assista à seguir o vídeo do pastor John Piper, onde ele expõe suas razões para repudiar a teologia da prosperidade:




Redação: Púlpito Cristão
Fonte: Púlpito Cristão
***
Em Cristo,
Mário César

Comentários

  1. A PAZ DO SENHOR A TODOS OS LEITORES DO "JESUS É O SENHOR"!

    É LAMENTÁVEL A POSIÇÃO DO PASTOR(PASTOR?)SILAS MALAFAIA.CONCORDO PLENAMENTE COM AS PALAVRAS DO NOSSO IRMÃO LEONARDO QUE SEMPRE FALA COM MUITA CORAGEM E SOBRIEDADE.

    EM CRISTO,
    MARIO

    ResponderExcluir
  2. Graça e paz.foi um prazer a sua presença no meu blog.Mas infelizmente foi rackeado, deixar meu novo endereço e ficarei esperando sua visita.Vou ficar por aqui também, benção seu blog.Abço
    http://si-monepires.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. A PAZ DO SENHOR MINHA IRMÃ!

    CONTE COM MINHA PRESENÇA EM SEU NOVO ENDEREÇO.

    GRATO PELA VISITA AO NOSSO BLOG DE DEFESA DO VERDADEIRO EVANGELHO.

    EM CRISTO,

    MARIO

    ResponderExcluir

Postar um comentário

SINTA SE A VONTADE PARA COMENTAR

Postagens mais visitadas deste blog

AS NOVAS HERESIAS DE NEUZA ITIOKA

Governantes, ouçam a Palavra de Deus!