Informações sobre execução de pastor não são confirmadas


Os advogados do pastor iraniano que aguarda a decisão final sobre sua sentença de morte ainda não receberam uma confirmação oficial das autoridades de que seu cliente será executado, apesar de todas as informações de que sua morte é iminente
Rumores de uma execução iminente para o pastor Yousef Nadarkhani vazaram esta semana depois que uma fonte próxima aos advogados do pastor contatou a mídia internacional, informando que o tribunal havia assinado os papeis para a execução de Nadarkhani.
“O advogado ainda está aguardando a confirmação, mas ele soube que a execução já havia sido anunciada”, afirma Firouz Khandjani, membro do Conselho da Igreja do Irã, denominação à qual Yousef pertence. “Agora, estamos tentando entender exatamente o que aconteceu, porque as informações vieram de uma fonte confiável”.
O caso de Nadarkhani foi transferido recentemente para o líder supremo Aiatolá Khamenei, para que ele tomasse a decisão sobre a sentença de morte, mas legalmente o tribunal ainda tem a autoridade de emitir a ordem de execução, afirma Khandjani. Khamenei pode ou não tomar a decisão, e se o tribunal emitir a ordem de execução, o aiatolá teria a autoridade de anulá-la.
Apesar de os advogados de Nadarkhani não terem recebido a confirmação por escrito, Khandjani afirma estar preocupado, pois o governo desconsidera suas próprias leis e processos legais ao tratar os cristãos. Diversos prisioneiros já foram executados sem aviso.
Nadarkhani falou com sua esposa por telefone no dia 22 de fevereiro, e o Centro Americano da Lei e Justiça (veja link) afirma que ele ainda está vivo.
“Temos que continuar orando e falando sobre a situação dos cristãos no Irã, porque é um momento de tensão para o povo”.  Os cristãos no Irã são repetidamente presos e interrogados. O caso de Nadarkhani não é algo fora do comum no país.
EM CRISTO,
MARIO CESAR DE ABREU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AS NOVAS HERESIAS DE NEUZA ITIOKA

Governantes, ouçam a Palavra de Deus!

Um clamor pela intervenção de Deus