O “MALA”, A GABÍ E O EVANGELHO INVERSAMENTE PROPORCIONAL AO QUE SE VÊ POR AÍ


Por Antognoni Misael

É lamentável ver grande parte da nação evangélica se contentando com tão pouco. Bastou o Pastor Silas Malafia aparecer em uma das maiores emissoras nacionais e destilar sua ríspida fala em defesa da família tradicional, para que muitos cristãos sentissem, ao final daquele programa da Gabí, a sensação de terem sidos bem representados, ou quiçá, sendo menos plausível, a supérflua alegria provocativa como aquela tipo: “meu time venceu o time do meu vizinho”.

Não era essa a representação de igreja que eu, e muitos cristãos, almejávamos para o Brasil. Aliás, quem de nós precisa ser representado, senão por Cristo!

Exceções à parte – e relembrando algumas marcas de nossa história como evangélicos – , quem nunca soube que fomos (e ainda somos) reconhecidos por nossa hostilidade, intolerância, extremismo e segmentação. Que durante anos fomos (e ainda somos) mal ensinados sobre conceitos imprescindíveis como os de: igreja, adoração, mundo, secularismo, graça de Deus, missões, espiritualidade, etc. Ainda notemos também que, se culturalmente somos um país rico, ao mesmo tempo, apresentamos um nível paupérrimo em questões de leitura – vejamos que no Programa de Avaliação Internacional de Estudantes (Pisa), dentre os 64 países avaliados, ficamos apenas na posição 53 – o que se reflete proporcionalmente em uma significante camada evangélica, em sua maioria, ignorante, “fantocheada”, perdida no tempo e no espaço, quase sempre à espera de um representante que supra todas as suas carências representativas, teológicas, espirituais, familiares, dentre tantas. Neste viés, não há dúvidas de que tal camada se torna vítima de pseudos-líderes, mas ao mesmo tempo irresponsável consigo mesma, quando tem a oportunidade de ser alertada, mas omite-se a pensar.

Quanto pesquisamos a história da igreja evangélica no Brasil (e aqui não tenho intenção de historicizar) ficamos bastante entusiasmados ao notar a provisão de Deus ao enviar missionários comprometidos com a pregação do evangelho em nossas terras. Contudo, com o passar dos anos, a tentativa de europeização eclesiástica, partindo desde os formatos dos cultos, liturgias, costumes, indo até as arquiteturas de igrejas, davam sinais de que a igreja no Brasil sofreria alguns problemas relacionados ao aspecto cultural. Mas o pior ainda estava por vir. As estranhas correntes teológicas, quase sempre vindas do Norte, passou a ameaçar o projeto de aperfeiçoamento prático-doutrinário da igreja no Brasil, vindo a fragmentá-la em diversos aspectos. Sendo assim, quando, já na década de 90, o inchaço resultante de tantas subdivisões acarretou em uma perca de referencial no meio de nós. A igreja brasileira, àquelas alturas, já estava em parte, mística, fria, vendida, politizada e alienada.

Já sem eira nem beira, o que um dia se foi chamado de Protestante veio a passar por várias fases quanto ao estereotipo: de “Crente”, “Evangélico”, chegando até o moderno termo “Gospel”. O que isso refletiu, a grosso modo? Em um vexame da igreja evangélica! O sinal de que além de abrangermos o aspecto religioso, também podemos ser da merchandish!

Atualmente as denominações vistas como tradicionais sofrem com tamanha pressão de movimentos neopentecostais, o mercado religioso lucra milhões com produtos e imagens de ícones do movimento Gospel, a mídia em geral reconhece que os evangélicos são “a bola da vez” e abrem espaço para suas representações. Enquanto isso, se na igreja do Malafaia tem pastor ganhando até 20,000 Mil Reais, nossos campos missionários vivem a escassez de recursos; se nos grandes templos há tanto “pede-pede” em nome de uma prosperidade “besteirol” ou não, os minoritários cristãos que pregam apenas o evangelho envolto pela Graça de Deus insistem em não se guiarem por quantidades, mas pela Verdade. E assim vamos prosseguindo, vivendo esse Evangelho inversamente proporcional ao que se mostra por aí…nos Show’s mundiais, universais, na Globo ou na Gabí.

***

Antognoni Misael, editor do Arte de Chocar e colaborador na edição do Púlpito Cristão
Fonte:Púlpito Cristão
***
Em Cristo,
Mário César de Abreu

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AS NOVAS HERESIAS DE NEUZA ITIOKA

Um clamor pela intervenção de Deus

Governantes, ouçam a Palavra de Deus!