Casamento Gay e a Revolução Sexual dos Judeus

Postado por Solano Portela
A Folha de São Paulo de 06.10.2014 informa, em grande manchete, que a “Suprema Corte dos EUA abre caminha para casamento Gay em Cinco Estados”. No texto da notícia, a notícia de que apelos advindos de Virginia, Okhlahoma, Utah, Wiscosin e Indiana, para que suas leis fossem mantidas, contra decisões de tribunais federais, foram rejeitados pela corte maior daquele país. Estas decisões vinham respaldando a união entre pessoas do mesmo sexo, mesmo contra as leis estaduais, que proibiam “casamentos” gays, atendendo a apelos de indivíduos e organizações. Os tribunais federais vinham julgando contra as legislações estaduais, considerando estas inconstitucionais. Outros seis estados, que atualmente proíbem essas uniões, caminham para julgamentos na mesma direção. Serão obrigados pela Corte Suprema, a aceitarem o “casamento” gay, fazendo com que o total de estados norte-americanos, nos quais a união entre pessoas do mesmo sexo é permitida, chegue a 30, dentre os 50 daquele país.

O Blog Break Point, de hoje, traz um texto já de alguns anos, do Charles Colson, no qual ele aponta o conceito revolucionário do judaísmo e do cristianismo sobre o ethossexual das civilizações. Indicando que “aqueles que esquecem a história estão fadados a repetirem os seus erros”, o Blog relembra faz referência aos comentários do Colson, do qual transcrevemos algumas partes essenciais. Diz ele:

Com frequência ouvimos que permitir que dois homens ou duas mulheres se casem não prejudica ninguém e nem afetam pessoas que são heterossexuais. A verdade é que já sabemos o que acontece com uma sociedade promove a licenciosidade sexual e desvaloriza a instituição do casamento. Temos apenas que examinar a história.

Alguns anos atrás, antes que houvesse todo esse falatório sobre o “casamento gay”, um comentarista que possuí um programa no rádio e é também um teólogo do judaísmo, Dennis Prager (1948 - ), escreveu um artigo fascinante chamado – prepare-se para o título: “A Revolução Sexual do Judaismo: Por que o Judaísmo Rejeitou a Homossexualidade”.
Antes que os judeus estivessem situados no antigo Oriente Próximo o mundo pagão já apresentava uma dissociação social libertina, na qual imperava a livre sexualidade, em todos os sentidos, degradando mulheres e crianças, colocando a própria religião a serviço da lascívia masculina. Todos os aspectos da vida tinham conotação sexual. Os deuses pagãos se envolviam em atividades sexuais sem fronteiras, e o povo seguia no mesmo trilho. A homossexualidade tinha praticamente aceitação plena no mundo antigo.
Mas o ponto chave não era gênero, mas poder. Dennis Prager cita a filósofa Martha Nussbaum, que escreveu: “A distinção principal na moralidade sexual da antiguidade era... entre os papéis passivos e ativos”. Considerando que meninos e mulheres estavam no lado recebedor da atividade sexual, eles eram “muito frequentemente tratados e trocados como simples objetos do desejo masculino”.
Não é de espantar, portanto, que as mulheres fossem colocadas à margem das coisas que contam; eram importantes para a procriação e para cuidar da casa, mas não importantes para serem consideradas como parceiras reais niveladas ao homem. Os homens possuíam outras opções sexuais, com meninos ou com outros homens.
É por isso que a proclamação do judaísmo, de que Deus criou o sexo somente para ser praticado entre um homem e uma mulher, no casamento, era um conceito tão revolucionário – e igualmente desprezado tanto pelos pagãos antigos, como, posso acrescentar, pelos de hoje em dia. É o livro de Gênesis que diz: “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne. Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus e não se envergonhavam”.
Prager escreve: “Essa revolução aprisionou o ‘gênio’ sexual de volta à garrafa matrimonial. Assegurou que não mais o sexo dominaria a sociedade; exaltou o amor e a sexualidade entre macho e fêmea (criando, consequentemente, a singular possibilidade de amor e envolvimento erótico dentro dos limites do casamento); e disparou a árdua tarefa de elevação do status da mulher”. Não é de espantar, aponta Prager, que “o melhoramento da condição da mulher ocorreu somente dentro dos limites da civilização ocidental”, a qual, historicamente, foi a “menos tolerante à ocorrência da homossexualidade”.
É claro que devemos notar que foi o Apóstolo Paulo que levou à frente essa revolução sexual judaica através do mundo antigo. A [autora e erudita] Sarah Ruden escreveu em seu livro recente: Apóstolo Paulo[Paul Among the People, traduzido e publicado em português pelaBenvirá [ISBN: 9788582400050]: “A homossexualidade predadora era comum em Roma e na Grécia; as mulheres e crianças eram consideradas apenas como propriedades”. Por meio de Paulo, entretanto, o cristianismo legou à civilização ocidental [a propriedade] do envolvimento do sexo dentro dos limites do casamento, entre um homem e uma mulher. Ficou patente o desvio dos limites que é o abuso sexual de meninos e escravos.

Ora, o ponto é simplesmente este: Deus institui o casamento para o bem da humanidade (restringindo e canalizando [apropriadamente] a sua sexualidade), para proteção e dignidade da mulher e para que a sociedade possa florescer – Charles Colson.Consideramos muito pertinente esse lembrete da história, pois caminhamos a passos largos para a colocação da família e das expressões legítimas da sexualidade humana, na ilegalidade e à margem da sociedade, se Deus não for misericordioso com nossa pátria e se os cristãos não acordarem do torpor atual, para os direcionamentos firmes e seguros da Palavra de Deus.

Solano Portela
***
Fonte: http://tempora-mores.blogspot.com.br/
***
Em Cristo,
Mário

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AS NOVAS HERESIAS DE NEUZA ITIOKA

Governantes, ouçam a Palavra de Deus!

Um clamor pela intervenção de Deus