Uma mensagem à nação



 
Nossa pátria ergue-se pujante e majestosa, como uma nação continental, de beleza multiforme e encantos mil. Somos um país multiracial, policultural, com muitos matizes, que fazem da nossa terra um torrão mui amado. O Brasil é um país banhado pelo mar, ornado por montanhas alcantiladas, planícies férteis e vales cheios de riqueza. O Brasil abriga em seu seio bosques, rios, campinas e vastos campos cheios de farturosas lavouras. Somos o mais importante celeiro do mundo. Somos agraciados por Deus por uma terra de grandes reservas minerais, de imensa riqueza hídrica, de recursos naturais sem paralelos no cenário mundial. Nossa terra é o maior santuário ecológico do mundo. Nossas florestas constituem-se no pulmão do planeta.

Por outro lado, somos também o país dos contrastes. Somos a nação de grandes universidades e um país de muitos analfabetos. Somos o país emergente de uma economia que se robustece e de uma grande população que vive condenada à pobreza. Somos um país democrático, mas com uma liderança política ainda levedada pelo fermento da corrupção endêmica e sistêmica, e que morde esfomeadamente o erário público. A tessitura moral da nossa nação está rota e doente: a violência grassa. A injustiça social perdura. A corrupção se espalha. A imoralidade sopita. O roubo viceja. O vício espraia-se. A corrosão dos valores morais avança. A impunidade blinda com couraça de ferro os poderosos que se escondem atrás das filigranas da lei. A falta de integridade no governo, na sociedade, na família e até na igreja faz ouvir seus pavorosos bramidos, anunciando a chegada inevitável, visível, clara e ampla do juízo de Deus como a luz da aurora que se espraia do topo de uma montanha.

Não se constrói uma grande nação apenas com riquezas materiais. Não se forma um grande povo apenas com os recursos da terra. O pecado é o opróbrio das nações. Ele traz em si o DNA da morte. Onde o pecado prevalece, a nação adoece, fragiliza-se e entra em colapso. Embora o governo seja laico, não deve ser neutro nem mesmo tendencioso para a promoção dos vícios e dos descalabros que destroem a família e a própria nação. Uma nação não é derrotada por forças que vêm de fora, mas pelo pecado que vem de dentro.

É preciso tocar a trombeta aos ouvidos da nossa nação. É preciso dizer a ela, que dela vem a sua ruína, mas só de Deus o seu socorro. É preciso dizer ao Brasil que feliz é a nação cujo Deus é o Senhor. Por outro lado, infeliz é a nação que abandona o conhecimento de Deus e corre atrás de ídolos e se envolve com ocultismo e feitiçaria. Infeliz é a nação cujos líderes espirituais são cegos, guiando outros cegos ao abismo. Infeliz é a nação cujas autoridades, que devem ser ministros de Deus, para a promoção do bem e a coibição do mal, desconhecem a Deus ou se rebelam contra sua autoridade, decretando leis injustas para oprimir os fracos ou para abrir largas avenidas para o povo desviar-se ainda mais celeremente de Deus. Infeliz é a nação cujos meios de comunicação são veículos e promotores intencionais de toda sorte de devassidão moral. Infeliz é a nação cuja igreja, que deveria ser sal da terra e luz do mundo, perde sua integridade.

É preciso dizer ao Brasil que só Deus pode salvar o nosso povo e sarar a nossa terra. É preciso dizer ao Brasil que se o barco está afundando e o povo está naufragando na desesperança, Jesus tem poder de caminhar sobre essas ondas encapeladas e vencê-las. Jesus tem autoridade para fazer cessar a tempestade e aquietar os ventos procelosos que nos fuzilam. Só ele pode nos levar ao porto seguro da ordem e do progresso.

Rev. Hernandes Dias Lopes                            Blog: Palavra da Verdade
***
Em Cristo,
Mário César de Abreu

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AS NOVAS HERESIAS DE NEUZA ITIOKA

Governantes, ouçam a Palavra de Deus!