CALVINISTAS SECTÁRIOS


Por Fabio Campos

Texto base: “Aceitem entre vocês quem é fraco na fé sem criticar as opiniões dessa pessoa”. (Rm. 14: 1 NTLH) / “Quem é você para julgar o escravo de alguém? Se ele vai vencer ou fracassar, isso é da conta do dono dele. E ele vai vencer porque o Senhor pode fazê-lo vencer”. (Rm. 14: 4 NTLH)

Antes de começar a discorrer o assunto conforme o tema preciso deixar alguns esclarecimentos e o alvo da reflexão. Quando digo “calvinista” não me refiro ao ensino calvinista. Meu alvo são aqueles que têm por comportamento o “sectarismo” no relacionamento com outros irmãos, os quais tem por opção outra linha teológica dentro da ortodoxia cristã. Este artigo não se refere em nada aos que professam uma fé diferente da cristã bíblica, nem dos apostatas, nem das seitas. Mas sim daqueles que estão em uma igreja séria, que professam a fé cristã no ensino correto da ortodoxia bíblica, porém se comportam de forma sectária.

Mesmo sendo pentecostal dispensacionalista, posso dizer que sou mais calvinista do que armíniano (se ao ler esta frase você fez “careta”, esta mensagem é para você). Tenho um grande apreço pela teologia reformada! Creio ser ela a interpretação mais coerente com as Escrituras! Não dá para negar a predestinação na qual tem por base mais de quarenta versículos, a obra monergista do Espírito, a eleição e Soberania de Deus.

Meu aborrecimento com alguns irmãos é a vanglória disfarçada de “glória de Deus”. Eles se vangloriam mais na TULIP (acróstico dos cinco pontos do calvinismo) do que no evangelho de Cristo. Suas pregações são repetitivas! Falam mais de Calvino do que de Paulo. Não se gloriam do evangelho conforme disse Paulo, mas sim do compêndio ensinado pelos reformadores. Quando se deparam com algum irmão pentecostal ou neopentecostal sua fisionomia muda! Não têm amor suficiente para acolher o débil na fé sem discutir assuntos polêmicos (Rm 14:1)!

Segundo o dicionário de Teologia da Editora Vida, Sectário significa “devoção rígida a uma seita. Refere-se à crença que esse ou aquele grupo é a verdadeira igreja, com EXCLUSÃO DE TODOS OS DEMAIS GRUPOS, CONSIDERADOS FALSAS IGREJAS”. Entendeu agora o porquê do tema? Quem não conheceu um calvinista com essas características!?

A soberba fomentada pelo “saber” toma conta do coração desses irmãos. A falsa piedade serve de mascara para esconder o orgulho de ser “protestante”, ou seja, SOU do contra! Pensam: “sou revolucionário”. O irmão Solano Portela foi muito feliz quando disse acerca do orgulho espiritual: “Nós calvinistas precisamos nos acautelar para não seguirmos esta trilha tão repisada da igreja. Não podemos nos considerar imunes ao desenvolvimento de uma atitude de que ‘nós reformados’ somos iluminados, únicos entendedores das verdades divinas que se encontram veladas à grande parte dos crentes comuns, a não ser que recebam a explicação lógica e incontestável de nossa parte. Muitos calvinistas têm se deixado pela SÍNDROME DA PÓLVORA passando a demonstrar o mais evidente orgulho espiritual, no relacionamento com os irmãos, prejudicando o testemunho da fé reformada”.

Paulo nos diz que “o amor é o elo da perfeição” (Cl. 3:14). Seremos conhecidos como filhos de Deus quando “amarmos com o seu amor” (Mt. 5: 44-45). Se dissermos estar na luz, logo amamos nosso irmão, do contrário, estaremos em trevas (1 Jo. 2: 9-11). Quem não ama seu irmão é homicida (1 Jo. 3: 15). Seremos reconhecidos como discípulos de Jesus não pelo nosso conhecimento teológico, nem pelo fato de sermos calvinistas, nem armínianos, mas sim em amarmos uns aos outros (Jo. 13: 35).

Uma das coisas mais ridículas é a zombaria nos blogs “apologéticos” com irmãos pentecostais! E se o Senhor os acolheu? Creio que você não é o dono deles, mas sim Deus, O qual firmará seus pés para que não tropecem! Tem blog que iria publicar uma notícia a cada dia envolvendo os irmãos de coríntios. Imagine os postes carregados de piadinhas a respeito daquela pobre igreja carnal. O verdadeiro amor corrige em graça, chora com o erro, se alegra quando alguém acerta! Foram estas as atitudes de Paulo concernente às igrejas que tinham problemas doutrinários. Nisto fica o temor devido a Deus: cada palavra nossa será usada para condenação ou justificação.

Lembre-se, Deus escolheu alguns nos quais você jamais escolheria! Os armínianos, pentecostais, neopentecostais, estes sendo sinceros em sua fé, provam ser escolhidos de Deus. E quem os condenará? É Deus quem os justifica! De fato, não me gloriarei na teologia reformada, nem na pentecostal, nem tão pouco na wesleyana (todas são bênçãos), mas apenas no evangelho de Cristo, no qual o amor é o adjetivo para qualificar “o perfeito” (Jo. 5: 48). Deus é amor! Se Ele te tolera com sua mediocridade mental, sendo ELE Um ser infinito em sabedoria, poder e santidade, por que você não tolera seu irmão que discorda de você em aspectos secundários da fé? O irmão Portela disse: “A nossa intransigência deve limitar-se àquelas coisas que estão perturbando os pontos fundamentais do evangelho, porém a caridade cristã, o amor de Cristo, deve ser refletido em nossas atitudes, derramando-se sobre todos aqueles que foram resgatados pelo precioso sangue de Cristo”.

Fico chateado quando alguns dizem que o pentecostalismo entre outros ensinos secundários são heresias: O puritano John Owen em defesa a tolerância, neste quesito diz: “… mas, geralmente, erros ocorrem em coisas de difícil compreensão, que não são tão claras e evidentes… Com relação a tais erros, é muito difícil classifica-los de heresias. A sensibilidade de nossos próprios males, falhas, incompreensões, escuridão e o nosso conhecimento parcial, deveria operar em nós uma opinião caridosa para com as pobres criaturas que, encontrando-se em erro, assim estão com os corações sinceros e retos, com postura semelhante aos que estão com a verdade”.

“A intolerância religiosa já matou várias pessoas! O que dizer dos afogamentos dos “Anabatistas”? Você acha que isso passará em branco diante de Deus? Jesus e os apóstolos morreram pela fé, mas nunca mataram! Os fanáticos argumentam: “os magistrados foram constituídos para isso”. Sim, mas a bandidos e não pela opção teológica! Em 1648 John Owen pregou um extenso sermão no parlamento Britânico, na Câmara dos Comuns, intitulado “Sobre Tolerância”, no qual defendeu, mais uma vez a demonstração do amor cristão e a não intervenção dos poderes governamentais nas diferenças de opiniões eclesiásticas. É inadmissível a atitude que Zuínglio teve ao incitar as autoridades a perseguir os “Anabatistas” em nome desta “verdade”, na qual não reflete de fato a Cristo, a Verdade com V maiúsculo! Os fariseus hipócritas encaminharam tal demanda ao império Romano para matar ao Senhor Jesus e os apóstolos em nome da Lei de Moisés. Qual a diferença? De fato cumpriram toda a Lei? amaram a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmos?

Se tivermos que nos gloriar em algo, que seja apenas no evangelho! Deus salvou alguns da igreja de Corinto, a qual você, com seu manuseio teológico, os jogariam no inferno! Fica a frase do Rev. Ian Hamilton, da Escócia para nossa reflexão: “A graça de Deus deveria adoçar nossas discordâncias. Existe um grande perigo de absolutizar a nossa forma de fazer as coisas. Devemos nos apegar àqueles que se apegam a Cristo”.

“E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição”. (Colossenses 3:14 AFC).

SOLI DEO GLORIA!

Referencias bibliográficas: Cinco Pecados que ameaçam os Calvinistas; Portela, SOLANO; Ed. PES (Publicações Evangélicas

***

Fonte: Blog do Fábio Campos. Divulgação: Púlpito Cristão/JESUS É O SENHOR
***
Em Cristo,
Mário César de Abreu

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AS NOVAS HERESIAS DE NEUZA ITIOKA

Governantes, ouçam a Palavra de Deus!

Um clamor pela intervenção de Deus